terça-feira, 10 de novembro de 2015

PARA OS QUE SE DIZEM CRISTÃOS





Esse recado é para você, que se diz cristão, mas que gosta de entrar em contendas, guardar ressentimentos e, pior ainda, ficar denegrindo a imagem de outras pessoas, inclusive a de seus próprios "irmãos" que também se dizem cristãos. Que tal a gente lembrar...

O que nos ensinou nosso Mestre:
"Digo-vos, porém, a vós outros que me ouvis:
amai os vossos inimigos, fazei o bem aos que vos odeiam;
bendizei aos que vos maldizem, orai pelos que vos caluniam.
Ao que te bate numa face, oferece-lhe também a outra; 
e, ao que tirar a tua capa, deixa-o levar também a túnica;
dá a todo o que te pede; e, se alguém levar o que é teu, não entres em demanda.
Como quereis que os homens vos façam, assim fazei-o vós também a eles.
Se amais os que vos amam, qual é a vossa recompensa? 
Porque até os pecadores amam aos que os amam.
Se fizerdes o bem aos que vos fazem o bem, qual é a vossa recompensa? Até os pecadores fazem isso.
E, se emprestais àqueles de quem esperais receber, qual é a vossa recompensa? 
Também os pecadores emprestam aos pecadores, para receberem outro tanto.
Amai, porém, os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai, sem esperar nenhuma paga; 
será grande o vosso galardão, e sereis filhos do Altíssimo. 
Pois ele é benigno até para com os ingratos e maus.
Sede misericordiosos, como também é misericordioso vosso Pai.
Não julgueis e não sereis julgados; 
não condeneis e não sereis condenados; 
perdoai e sereis perdoados;
dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos darão; 
porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também."
(Jesus Cristo - Lc 6:27-38)

"Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celeste vos perdoará;
se, porém, não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas."
(Jesus Cristo - Mt 6:14-15)

sábado, 26 de setembro de 2015

5 COISAS QUE TODO HOMEM CASADO DEVERIA FAZER QUANDO EM COMPANHIA DE MULHERES SOLTEIRAS





Por Bryan Van Slyke


Certa vez, um sábio homem me aconselhou que, quando eu estiver reunido com mulheres solteiras, especialmente atraentes ou interessantes, devo mencionar minha esposa e minha família logo no início da conversa. Percebi que esse conselho foi útil em muitas ocasiões. 

Caros maridos companheiros, aprendi o conselho acima, como também outras dicas abaixo listadas, essenciais para manter o meu casamento saudável e forte. Quero que meu casamento seja forte e saudável e você também! Na verdade, é uma das maiores responsabilidades no seu casamento. 

Então, vamos nos aprofundar neste assunto. Em quais situações você se encaixa? Para muitos, isto poderia facilmente acontecer no trabalho. Você poderia estar iniciando em um novo emprego e encontrar-se cercado de mulheres jovens e agradáveis. Se for esse o caso, você precisa escolher entre atrair a atenção delas ou impor-se de forma amigável, mencionando sua bela esposa e família. 

Outros podem estar trabalhando com as mesmas mulheres há mais tempo. Você pode ter optado por envolver-se em flertes ou sair com os colegas de trabalho após o expediente. Se este for o seu caso e sua esposa estiver em casa esperando por você, então é hora de voltar atrás e reavaliar a sua posição como o marido e líder, tomar as medidas necessárias para tornar a sua relação com sua esposa a mais importante e não se esquecer disso. Liderança, senhores, liderança! 

Mesmo que tenham sido apenas alguns rápidos exemplos, sei que alguns precisam intensificar o seu papel de marido. Estes exemplos não se aplicam a você? Então, pense em suas amizades na academia, no supermercado, na padaria, na internet ou em qualquer outro lugar. Estes "simples" locais poderiam produzir relacionamentos difíceis que podem prejudicar tanto o seu relacionamento quanto o seu amor pela sua esposa. Tome coragem e faça o que precisa ser feito para o seu casamento! 

Agora que tenho sua atenção, aqui estão cinco coisas que todo homem casado deve fazer ao encontrar-se em companhia de mulheres solteiras:

1.     Mantenha sua aliança no dedo. Há muito poucas exceções quando o anel precisa ser tirado, como ao operar máquinas pesadas, nadar em águas infestadas de tubarões e afins. Se você está prestes a entrar alguma situação que o faça olhar para o seu anel e considerar se você precisa dele no ou não, saia! Corra! Afaste-se! Sério, saia dessa situação; seus votos, casamento, filhos e muito mais dependem dessas decisões importantes. (Leia Lucas 16:10.)

2.     Tenha fotos da sua esposa no trabalho. Um homem casado, nessa situação, seria sábio ao escolher um par de grandes e divertidas fotos dele e da sua esposa e mantê-las exibidas em seu escritório ou local de trabalho. Escolha uma situação que tenha sido divertida por dois motivos: você se lembrará porque gosta tanto dela, e será um ótimo assunto para conversa quando em companhia de outras pessoas, especialmente mulheres. Atualize a foto quando necessário, para que as pessoas ao seu redor vejam o crescimento no seu relacionamento. Separe esta foto ainda essa semana e apague o fogo. (Leia o Salmo 119:37.)

3. Mantenha contato simples e breve.
 Não leia isso da forma errada; não estou dizendo para ser rude. Estou falando para ser cuidadoso para onde viajam seus olhos e por quanto tempo eles viajam quando você está perto de uma mulher atraente. Você sabe que, ao se deter no primeiro olhar, você estará assinando na linha pontilhada para maiores problemas. Mantenha o olhar breve, mantenha-o decisivo e siga em frente. Olhe novamente para a foto em sua mesa. Faça isso! (Leia Mateus 5.28)

4. Mantenha a conversa geral e profissional.
 Se você trabalha com mulheres solteiras, não há dúvida de que a conversa vai acontecer. Cabe a você como falar com elas. Você pode optar por manter os diálogos curtos e generalizados, pode optar por mantê-los profissionais, ou você pode permitir que a conversa tome rumos que não deveria. Seja educado, mas muito intencional em suas conversas. Se necessário, mais uma vez, esteja sempre pronto para falar sobre a sua esposa ou sua família. Puxe o pino do extintor, mire e extinga a chama. Segurança em primeiro lugar. (Leia Romanos 6:13.)

5. Fale sobre a sua esposa e faça isso com frequência.
 Já mencionei sobre a importância de falar sobre a sua esposa em suas conversas? Acho que sim, mas esse último tópico solidifica essa idéia. As mulheres solteiras com quem você lida diariamente, não devem ser páreo para a sua esposa e para a sua família. Sua família deve ser a sua primeira prioridade onde quer que você esteja e com qualquer pessoa que se encontre diariamente. Sim, cada dia e todo dia. Seja breve, seja simples e mencione sua linda esposa. Agora dê um tapinha nas suas costas e ânimo. (Leia Efésios 5.25-33)

Nota Importante:
 Não importa o que você tenha feito em seus relacionamentos atuais com mulheres solteiras, esses passos podem e devem ser iniciados a qualquer momento. Os sentimentos da sua esposa são e sempre serão mais importantes do que os da mulher com quem você precisa dar início a esses passos. Seja firme.

Eu o desafio a dar esses passos de forma confiante, por você, pelo seu casamento e pela sua família. Novamente, é sua a responsabilidade de liderar!


***

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Fé, Obras e o Espírito Santo



Os cristãos da Europa Oriental deparam-se hoje com a até então desconhecida tentação do materialismo. Crentes antes perseguidos estão atualmente sucumbindo ao amor pelo dinheiro, agora que qualquer um pode possuir tudo que a engenhosidade e o trabalho árduo podem adquirir. Uma classe emergente de empreendedores criou um novo anglicismo na Europa Oriental: "beeznessman" [corruptela de "businessman", homem de negócios – N.T.]. Ore pelos cristãos das antigas nações comunistas, para que resistam à nova tentação de imitar o ideal ocidental de homem bem-sucedido e de megaigreja!
A queda da Cortina de Ferro abriu as portas a todas aquelas falsas doutrinas e práticas que expusemos no livro A Sedução do Cristianismo. Tanto no Ocidente como no Oriente, o movimento da Nova Era, e todas as demais seitas, incluindo o satanismo, estão se espalhando descontroladamente. Felizmente, em todos esses países encontramos "bereanos" que recebem as nossas publicações. As suas manifestações de agradecimento pelas advertências e ensinamentos nelas contidos são encorajadoras. As heresias de que estamos falando aqui se espalham rapidamente por toda parte. Líderes religiosos americanos, através do rádio e da televisão, livros e tournês de palestras, disseminam por todo mundo toda espécie de novidade, de Benny Hinn a Rodney Howard-Browne, juntamente com os bem escondidos erros da psicologia cristã, Peale-Schuller e seu pensamento positivo e da possibilidade, Hagin-Copeland e sua confissão positiva, cura interior, visualização e "unidade" ecumênica.
O cristianismo está sendo reduzido à tradição moral e a conceitos conservadores, menos ao Evangelho.
Em todo o mundo há uma crise de fé dentro das igrejas, que está mudando o significado de ser cristão. A Palavra de Deus é rejeitada enquanto a experiência é valorizada acima da verdade; uma "fé" falsa e egoísta é promovida, e a sã doutrina e a correção são desprezadas como "separatistas" e "não-amorosas". Um erro sutil e sedutor está se espalhando por toda parte. Um exemplo é a "Coalizão Cristã" de Pat Robertson que agrupa evangélicos, católicos, mórmons, judeus e até mesmo seguidores do reverendo Moon em ações políticas. O cristianismo está sendo reduzido à tradição moral e a conceitos conservadores, menos ao Evangelho.

Base Bíblica de Ação Social e Política


Alicerce Bíblico Para Um Envolvimento Social e Político Dentro da Estrutura Dispensacionalista Tradicional

O dispensacionalismo tradicional[1] ganhou a reputação de não demonstrar interesse pelo engajamento social e político. Essa imagem do dispensacionalismo pode ou não ser justa. Creio que em grande parte seja verdadeira com notáveis exceções.[2] Entretanto, a despeito de ser ou não desenvolvida e aplicada, a concepção dispensacionalista é capaz de produzir uma teologia do envolvimento social e político que seja coerente com os princípios que norteiam o dispensacionalismo. O objetivo deste estudo é o de esboçar os elementos principais que realmente distinguem essa teologia.
Todo ser humano é individualmente responsável diante de Deus pela obra da criação, a qual foi planejada com o objetivo de glorificar a Deus.
As alianças apresentadas na Bíblia propiciam uma estrutura que serve de referência para sabermos a maneira pela qual Deus deseja que procedamos em cada área da vida. Se as primeiras alianças registradas em Gênesis dizem respeito a Adão e seus descendentes (i.e., todo o gênero humano), é razoável que os limites e prerrogativas de tais alianças se apliquem a toda a humanidade. De que maneira?

A Aliança Edênica

A Aliança Edênica (Gn 1.18-30; Gn 2.15-17) apresenta o princípio fundamental que Deus utilizou, antes da entrada do pecado no mundo, para estabelecer Seu governo e relacionamento com o ser humano; aliança essa que tem caráter condicional. A proibição de comer do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal foi um teste que Deus estipulou para Adão no passado (Gn 2.15-17) e, portanto, não é uma regra que possamos transgredir nos dias atuais (veja, também, Rm 5.13-14). Contudo, o Mandato Cultural (Gn 1.26-28) não ficou restrito apenas a Adão. Tal Mandato estabelece a base da responsabilidade individual do ser humano e dos deveres sociais, políticos e econômicos, bem como a responsabilidade final de toda a humanidade, perante Deus, ao longo da história que se seguiu. Foi através dessa aliança que Deus definiu a função cultural e pública a ser desempenhada pela humanidade na história. É uma descrição resumida das tarefas do ser humano.

As Instituições Divinas

As instituições divinas são convenções que atuam dentro dos dispositivos das alianças bíblicas e que dizem respeito à vida do ser humano na sociedade. A primeira vez que ouvi falar desse ensino bíblico, denominado por alguns de “Instituições Divinas”, foi há aproximadamente 35 anos, por intermédio do pastor Charles Clough.[3] Ele declara: “As instituições divinas são estruturas reais e absolutas que integram a existência social do ser humano”.[4] Segundo Clough, “a expressão ‘instituição divina’ tem sido usada há séculos pelos cristãos, principalmente no âmbito teológico reformado, para designar o sistema social básico e permanente”.[5] As instituições divinas foram criadas por Deus, daí o termo “divinas”, e se aplicam a toda a humanidade desde o tempo de Adão e Eva. As estruturas sociais básicas da humanidade não passaram por nenhum processo evolutivo ao longo do tempo, mas já faziam parte da criação de Deus.
primeira instituição divina é o domínio responsável (Gn 1.26-30; Gn 2.15-17; Sl 8.3-8), que enquadra o ser humano como um indivíduo responsável diante de Deus. O homem foi criado com a responsabilidade de ser o vice-regente de Deus para administrar o planeta Terra sob a autoridade de Deus. A queda do homem no pecado [i.e., a Queda] resultou na perversão da responsabilidade humana, porém tal responsabilidade nunca foi abolida.[6] Isso implica que todo ser humano é individualmente responsável diante de Deus pela obra da criação, a qual foi planejada com o objetivo de glorificar a Deus. Deus a planejou para que, através das escolhas de cada indivíduo, um registro de obediência ou rebelião contra o Criador ficasse evidente na história. Após a Queda, comenta Clough, “em vez de dominar sobre a Terra de modo pacífico e piedoso, sob a orientação de Deus e de Sua Palavra, o ser humano luta e usa suas garras para conquistar um falso domínio estabelecido com suas próprias obras (cf., Tg 4.1-4)”.[7] A escolha individual diz respeito à área na qual alguém tem a opção de confiar em Cristo como seu Salvador ou rejeitá-lO. Ninguém pode fazer essa decisão em favor de outra pessoa. Trata-se de uma escolha individual.
“A família existe com a finalidade de instruir a próxima geração (cf., Êx 20.12; Dt 6.4-9; Ef 6.1-4)”.
segunda instituição divina é o casamento (Gn 2.18-24). Tal instituição é uma inferência do casamento original de Adão e Eva, registrado em Gênesis 2. É exclusivamente dentro desse contexto que as relações sexuais podem ser desfrutadas e, juntos, marido e mulher devem cumprir o mandato cultural de governar a criação. Constata-se no texto bíblico que a mulher é chamada de “auxiliadora”, trazida por Deus a Adão, já que este tinha necessidade de uma cooperadora que lhe fosse compatível e que o ajudasse a cumprir sua vocação de governar a natureza. “Diferente dos animais, a assim chamada diferenciação sexual no gênero humano não serve apenas para a procriação; também serve para o exercício do domínio”.[8] “Posteriormente, a suprema importância da estrutura do casamento aparece no Novo Testamento, quando Paulo revelou o fato de que tal estrutura tipifica a união de Cristo com a Igreja (Ef 5.22-23)”.[9] Clough faz este comentário esclarecedor:

Fracos Modelos de Cristo


Cada crente deve representar o Senhor Jesus aqui na Terra, devendo ser uma cópia do Salvador e mostrar Cristo ao mundo. Essa é uma tremenda responsabilidade.
Nós somos membros do corpo de Cristo. O corpo é o veículo através do qual uma pessoa se exprime. O corpo de Cristo, a Igreja, é o veículo pelo qual Ele deseja revelar-Se ao mundo.
Assim, uma questão é levantada a cada um de nós: “Que tipo de imagem de Cristo ofereço ao mundo?” E devemos perguntar a nós mesmos:
Se a única visão que têm de Cristo
É o que vêem dEle em ti,
Minha alma, o que vêem eles?
Deus tem um sobrenome. Ele foi chamado o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó.
Alguém explicou: Deus tem um sobrenome. Ele foi chamado o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó. Ele não se sentia envergonhado de ser o Deus destes homens (Hb 11.16b)Como é que Deus se sentiria se tivesse o meu nome como o Seu sobrenome?
Charles Swindoll disse:
Quer queiramos quer não, o mundo observa-nos com a atenção de uma gaivota que espreita um camarão em águas pouco profundas. O crente... está sob vigilância constante. Este é o nosso problema ocupacional número um. E quando falamos do nosso Salvador e da vida que Ele nos oferece, tudo o que dizemos é filtrado através daquilo que os outros observam em nós.

Ferido em casa dos seus amigos

O triste fato é que Cristo tem sofrido bastante devido às vidas daqueles que professam ser Seus discípulos. Ele tem sido ferido até na “casa dos Seus amigos.”
James Spink disse:
A causa do Cristianismo tem sido mais prejudicada pelo seus seguidores do que pelos seus oponentes, porque o mundo compara freqüentemente a profissão de fé de um cristão com a prática da mesma. Dizem, com uma certa razão, que se o Cristianismo é aquilo que nós defendemos ser, então as nossas vidas deveriam ser diferentes.
Hudson Taylor concordou:
A incongruência dos cristãos, que ao professarem que crêem na sua Bíblia mas se sentem felizes em viver como se tal Livro não existisse, tem sido um dos maiores argumentos para a discussão dos meus companheiros mais céticos.
Não é difícil encontrar ilustrações para a forma como o Senhor é freqüentemente tão mal representado. Recentemente, vi uma camionete com dois adesivos no pára-choque traseiro. Um dizia: “Eu amo Jesus”. No outro podia ler-se: “Se bates no meu carro, acabo contigo”. Aparentemente o dono do carro não podia ver a contradição gritante dos dois sentimentos.
Por exemplo, George Duncan conta a seguinte história do mundo dos negócios: Um negociante... tinha participado de um programa cristão de rádio na noite anterior, e uma das suas funcionárias o tinha ouvido. Na manhã seguinte, ele estava de muito mau humor, as coisas não estavam correndo bem, e a funcionária acabou sendo vítima do mau humor do patrão. Ao sair do escritório ela comentou com uma colega que entrava: “Está certo... Venham a Jesus no domingo à noite e vão para o Diabo na segunda-feira de manhã.”
Quando um homem de negócios cristão não cumpriu o que havia prometido, um concorrente perguntou-lhe: “A que igreja você pertence?” Ele respondeu: “A minha igreja não tem nada a ver com esse assunto. Isso é negócio”. Pode ter levado vinte anos dando um bom testemunho, mas destruiu-o em vinte segundos.
Quando um famoso ator ou atriz relata que “nasceu de novo”, a notícia é transmitida por todos os meios de comunicação disponíveis. Mas, da mesma forma, também são transmitidas as notícias de que ele, ou ela, não abandonaram completamente o seu modo de vida anterior, quando aparecem num filme de baixo nível, tornando evidente que Cristo não fez diferença na sua vida.
E os “músicos cristãos” com a sua atuação teatral, sugestiva linguagem corporal, letras muito duvidosas e música que imita a do mundo: Será isto Cristianismo? Ou será uma paródia, uma imitação ridícula?
Um criminoso declarou ter-se convertido numa grande campanha evangelística. A notícia espalhou-se imediatamente, mas ele continuou com as suas atividades criminosas, contatando com o sub-mundo do crime. Quando alguém o confrontou com essa caricatura de Cristianismo, ele disse: “Nunca me foi dito que por dizer sim a Jesus, eu tinha de voltar as costas à minha vida anterior. Não entendo, há jogadores de futebol cristãos, há “cowboys” cristãos, há políticos cristãos. Por que não pode haver um criminoso cristão?” Desde ali ele abandonou o Cristianismo.
Depois, temos as personalidades cristãs da televisão, de roupas caras, cabelos perfeitos, cobertas de jóias, pintadas como Jezabel. É desta maneira que Jesus é apresentado, tão diferente do meu amigo pobre de Nazaré.

Um negócio rentável 

Não convém, também, esquecer alguns pregadores de rádio ou de televisão, que levam a vida angariando dinheiro e vivem em casas suntuosas, viajam em automóveis e aviões caríssimos. Nunca demora muito para que um repórter exponha todo o jogo tal como é, e que o Cristianismo fique, de novo, prejudicado.
Foi noticiado que um dos pregadores favoritos da América vivia numa mansão de muitas salas, remodelada como o Palácio de Versalhes, com fabulosos jardins, estábulos e lagos. Outro comprou uma mansão de meio milhão de dólares em Los Angeles, a que a sua esposa se referiu como sendo um cantinho para fugir à rotina. Um Rolls Royce também foi adicionado à sua frota de Mercedes e Jaguars.
O mundo evangélico realmente está necessitando de uma limpeza profunda.
É constrangedor verificar o número de líderes cristãos que, ao atingirem os pináculos do poder cristão, acabaram nas manchetes dos escândalos sexuais. Alguns desapareceram com as secretárias particulares e divorciaram-se das suas esposas. Quantas mulheres cristãs, bem conceituadas, deixaram seu lar e marido para viver com outro homem? O mundo evangélico realmente está necessitando de uma limpeza profunda.
Quantas vezes Cristo é difamado por “políticos cristãos” de linguagem vulgar, compromissos duvidosos, associações obscuras? É incalculável a desonra causada ao nome de Jesus.

A mudança da face do Ocidente


Dirija seu carro por quase todas as cidades dos EUA em um domingo de manhã e você verá os estacionamentos das igrejas cheios. Contudo, uma revolução cultural está acontecendo que afronta tudo o que muitas daquelas igrejas têm crido e aceito como verdadeiro e moral durante mais de dois séculos. Essa mesma tendência se alastra por todo o Ocidente.
Uma minoria militante está promovendo uma guerra generalizada contra Deus e contra o cristianismo, e parece que está vencendo. Ateus alardeiam continuamente a causa de uma sociedade sem Deus, ridicularizando as crenças cristãs e desprezando todos aqueles que rejeitarem a filosofia deles. O resultado é uma sociedade caótica e possivelmente à beira de um colapso.
Ironicamente, um comentarista secular tomou a responsabilidade de perguntar por que a maioria dos cristãos não está se levantando contra os fanáticos religiosos decididos a destruir nossa fibra moral e espiritual. Por que existe esse silêncio quase total dos mais afetados e dos que mais têm a perder se o paganismo secular da facção radical se tornar a religião dominante?

Religião Sem Deus

Independentemente dos protestos que afirmam o contrário, o ateísmo é uma forma de religião. Enquanto o verdadeiro cristianismo centraliza sua fé em Cristo, o ateísmo (juntamente com o agnosticismo) não adora nada. É uma fé de fábulas na qual todo indivíduo (na prática) fabrica deuses segundo seu próprio feitio.
Os ateus fazem até mesmo proselitismo, porém com uma característica única: eles forçam comunidades inteiras ou grupos inteiros de pessoas a se curvarem diante de suas crenças ou a sofrerem as conseqüências legais. Freqüentemente, a reclamação de um único ateu, de ter sido pessoalmente ofendido por uma representação, manifestação ou celebração cristã, impele uma justiça condescendente a desprezar a vontade e as tradições da maioria em favor daquele ateu. Forçar sua descrença sobre os outros parece ser o compromisso sagrado dos ateus. Eles não toleram nenhuma oposição, não deixam nenhum espaço para a filosofia “viva e deixe viver”, e são determinados a buscar e destruir tudo que tenha alguma ligação com Deus.
Talvez uma participante de um programa de entrevistas na televisão tenha se expressado melhor: “Eu gosto do Natal”, exclamou ela. “Só não gosto da parte religiosa do Natal”.

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Corpo Dividido



CADA UM DIZ: - EU SOU DE PAULO... EU SOU DE APOLO... EU SOU DE PEDRO...

I Coríntios 1:12                                             I Coríntios 1:10-13

Igrejas divididas segundo o pensamento dos seus líderes é coisa que devemos renegar e acabar para sempre. Cristo não está dividido. Não foi Paulo, Pedro ou Apolo, ou outro qualquer, que pagou os nossos pecados, portanto, todos os salvos devem estar ao redor de Jesus, trabalhando exclusivamente para Sua glória.

Estes pensamentos levam-nos a intrigas, a divisões, a lutas sem sentido, desviando-nos do alvo fundamental - servir a Cristo com um coração inteiro.

Vemos por aí igrejas que, em virtude dessas divisões, mais parecem vespeiros do que comunidades de Cristo, o Deus que é amor. Irmãos, trabalhemos e oremos a Deus Pai para que sejamos "um em Cristo", procurando glorificá-lO em toda a nossa vida.

Em vez de seguirmos líderes humanos, sigamos à risca os ensinamentos da nossa Bíblia, que deve ser o único "dominador comum" dos salvos por Cristo. A Bíblia sempre dá o primeiro lugar a Jesus, unindo, orientando, ensinando e dando-nos tudo o que precisamos saber sobre a vida espiritual. E... depois, é tão bom, tão doce e salutar estudar a Bíblia! Alguém disse: - "Se conhecer tudo e não conhecer a Bíblia, sou um ignorante; mas, se não conhecer mais nada e conhecer a Palavra de Deus, sou um sábio".

Penso que esta pessoa tinha razão, não só porque as Sagradas Escrituras são uma biblioteca de todo o conhecimento, mas também porque, por ela, o Espírito Santo fala aos nossos corações, convencendo-nos do pecado, da justiça e do juízo e levando-nos a Cristo, o Senhor da Igreja.

Sejamos um em  Cristo, como Jesus é um juntamente com o Pai (João 10:30) e faremos com que a Igreja seja mais unida, mais santa, mais pura e perfeita, sem mácula, nem ruga, nem outras coisas negativas. Que Cristo seja tudo em cada um de nós e em todos nós.

sábado, 13 de junho de 2015

É Possível ser perfeito diante de Deus?


Certamente esta é uma dúvida nem um pouco nova. Existem milhões de textos e pregações a respeito desse tema, mas sempre surgem dúvidas, muitas vezes embasadas em passagens da própria Bíblia Sagrada, tais como: “Portanto, sejam perfeitos, assim como é perfeito o Pai de vocês, que está no céu.” (Mt 5:48); “Assim, quem vive unido com Cristo não continua pecando. Porém quem continua pecando nunca o viu e nunca o conheceu.” (I Jo 3:6), dentre outros.
Muitos podem perguntar, como eu mesmo já perguntei milhares e milhares de vezes: “Como é possível viver sem pecar? Eu tento, tento e quando percebo... pequei.” Aí aparecem aqueles abençoados fariseus do século XXI: “É porque você não tentou o bastante”, ou “é porque você tentou, e quem tenta não consegue. Você tem que tomar a decisão de não pecar e pronto”, “Deus quando faz a obra, faz de uma vez e não à prestação”. Você já ouviu algum dia esse tipo de acusação? Ou já proferiu algo do gênero?
Não percebem o mal que fazem na mente e na vida de quem ouve essas coisa. Muitos chegam ao ponto de achar a vida dentro do corpo de Cristo pior que a vida no mundo. As pessoas lá fora estão perdidas, sem rumo, procurando uma luz em diversas doutrinas, como o espiritismo, o candomblé, o budismo, nova era (gnosticismo), o islamismo (que está crescendo assustadoramente no mundo todo). Quando finalmente o Espírito Santo os faz entrar numa igreja e ouvem a Verdade, e aceitam a Verdade, e tomam a decisão pelo batismo nas águas, quando pensam que finalmente terão paz, aí ouvem aquele versículo: “Quem está unido com Cristo é uma nova pessoa; acabou-se o que era velho, e já chegou o que é novo”. (II Co 5:17). Até aí tudo bem. Jesus faz realmente tudo ficar novo. Só que recém-convertido pensa como muitos: Agora sou crente, eu TENHO QUE ser perfeito diante de Deus. NÃO POSSO mais pecar.

domingo, 26 de abril de 2015

O homem é um espirito que habita num corpo e possui uma alma



Todo homem é espírito, alma e corpo. A concepção geral das pessoas é a de que o homem é apenas corpo e alma. Todavia, é importante ressaltarmos que o homem é um ser triuno: corpo, alma e espírito. Em I Tessalonicenses 5:23 lemos: ‘‘O mesmo Deus da paz vos santifique em tudo; e o vosso espírito, alma e corpo, sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo’’.
Espírito e alma não são a mesma coisa.
Caso fossem a mesma coisa, qual a necessidade de separá-los? Pois em Hebreus 4:12 Paulo nos diz que a Palavra de Deus é viva e eficaz e penetra até o ponto de dividir alma e espírito. Alma e espírito, portanto, não são a mesma coisa.
Mas, qual a necessidade de estudarmos sobre esse assunto?
Porque precisamos saber que o homem é espírito, alma e corpo! Isso é fundamental sob muitos aspectos. Essa é a base para a compreensão de todo o fundamento da fé. Vejamos algumas razões pelas quais nos é imprescindível aprendermos, não apenas que o homem possui uma dimensão tríplice, mas também a necessidade de sabermos discernir o nosso próprio espírito humano. 

Em primeiro lugar, Deus é espírito - Em João 4:24, lemos: ‘‘Porque Deus é espírito...’’ Ora, para que possamos ter contato com a matéria, precisamos ser matéria, do mesmo modo, para que possamos ter contato com Deus, que é espírito, precisamos ser um espírito. Não podemos ouvir de Deus com os nossos ouvidos físicos, nem tão pouco olhá-Lo com nossos olhos da carne. Todavia, nós podemos conhecer a Deus. Como viemos a conhecê-Lo? Evidentemente, pelo espírito. É por meio do nosso espírito que entramos em contato com Deus. Se falharmos em discernir o nosso próprio espírito, poderemos conhecer a Deus?

Em segundo lugar, o próprio conhecimento espiritual é adquirido no espírito - Em I Coríntios 2:14, lemos: ‘‘Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura, e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente’’. Veja bem que todo conhecimento que tem valor na vida cristã é adquirido espiritualmente. As coisas espirituais se discernem espiritualmente, ou seja, pelo espírito. O homem natural, por ter o seu espírito morto, não consegue entender as coisas do Espírito. O problema é que muitos cristãos, apesar de nascidos de novo, ainda usam as suas mentes para entender coisas que só se discernem espiritualmente. Aqueles que não sabem discernir o próprio espírito, normalmente lêem a Bíblia usando as suas mentes, e, por isso, retiram tão pouco proveito dela.

Em terceiro lugar, o novo nascimento é algo que ocorre inteiramente em nosso espírito - ‘‘O que é nascido da carne, é carne; e o que é nascido do Espírito é espírito’’ (Jo 3:6). Quando Adão pecou, ele morreu, e bem assim toda a sua descendência. A morte de Adão não foi de imediato uma morte física, mas espiritual. O seu espírito morreu para Deus. Não que o homem natural não tenha espírito, mas o seu espírito está morto, incapaz de manter contato com Deus. O novo nascimento é o renascer deste espírito para Deus.

Em quarto lugar, a adoração é algo que é feito no espírito - Se falharmos em perceber o nosso próprio espírito, a nossa adoração será comprometida. O máximo que iremos alcançar será um louvor no nível da mente, da alma. Deus é espírito e deve, portanto, ser adorado em espírito (Jo 4:24).

Em quinto lugar, em todo o Novo Testamento somos exortados a andar no espírito - Neste ponto alguém pode questionar: “É, mas aí não se refere ao Espírito de Deus”? Mas, quando nós entendemos que aquele que se une ao Senhor é um só espírito com Deus, fomos unidos a Ele, amalgamados, ligados indissoluvelmente. O Espírito Santo não habita na alma, e sim em nosso espírito humano recriado. Toda direção que o Espírito nos dá vem através do nosso espírito. O nosso espírito é a parte do nosso ser que tem a função de contactar a Deus. O espírito é como um rádio que tem a capacidade de sintonizar as o­ndas que vêm do trono de Deus. Falhar em discernir o próprio espírito pode ser extremamente trágico para um padrão de vida abundante. A nossa vida cristã, em última análise, consiste em sermos guiados pelo Espírito. Se eu não consigo ouvir o que o Espírito Santo está dizendo, como serei guiado por ele? Esse é o centro da vida cristã: Deus habita em nós na pessoa do Espírito Santo, nos moldando e nos guiando a toda verdade. Isso não pode ser mera doutrina, tem de ser revelação em nosso espírito. Esse é o ápice da revelação de Deus, que Cristo Jesus habita em nós sendo a nossa própria vida. A vida cristã consiste em duas substituições: a primeira na cruz, onde ele morreu em nosso lugar; e a outra no nosso dia a dia, o­nde ele vive a vida cristã por nós. Tudo é  feito por sua graça: a salvação e a santificação.

Em sexto lugar, a Palavra de Deus diz que somos seres espirituais - Eu sou um ser espiritual, eu sou da natureza de Deus, fui feito à sua imagem e semelhança (Sl 82:6). Não devemos pensar que somos o nosso corpo. Nós somos espírito; e é por isso que nós somos aptos para ter comunhão com Ele, para ouvir e falar com Ele. Em I Coríntios 14:14, Paulo diz: ‘‘Se eu orar em outra língua, então meu espírito ora...’’. Veja a forma como ele diz: ‘‘se eu orar... então meu espírito ora’’; veja que o ‘‘EU’’ e o ‘‘espírito’’ são a mesma coisa, mostrando que Paulo se via como um ser espiritual.  Evidentemente nós não somos apenas espírito, somos também alma e corpo. Em Romanos 7:18, Paulo também diz: ‘‘Porque eu sei que em mim, isto é na minha carne...’’. Veja que ele também diz que ele é matéria. Nós somos um ser triuno. A divisão que ora fazemos é apenas visando facilitar a aprendizagem. Eu sou apenas um homem e não três. Espírito, alma e corpo são partes de um único ser: o homem. Entretanto, o nosso corpo será glorificado, pois o corpo que hoje possuímos é apenas a casa o­nde moramos nesta terra. Paulo nos diz em II Coríntios 5:1-2; que o corpo é apenas a nossa casa terrestre; quando estivermos com o Senhor receberemos uma habitação celestial. Podemos dizer então que nós somos um espírito que tem uma alma e habita em um corpo celestial.

Em sétimo e último lugar, somos exortados a orar sem cessar no espírito (Ef 6:18, I Co 15:15) - Existe um tipo de oração que é feito no nível do espírito. Como poderei fazer esse tipo de oração, se eu nem mesmo sei que possuo um espírito? A adoração é no espírito, mas a oração também é. Vemos que a prática normal da vida cristã implica numa compreensão clara de que somos um ser espiritual, que possui uma alma e habita em um corpo.
Toda a nossa vida cristã consiste em aprendermos a exercitar o nosso espírito humano recriado para contactar o Senhor, e sermos por Ele guiados. Tudo o que nós necessitamos para alcançarmos uma vida cristã plena e frutífera já nos foi dado pelo Espírito Santo que habita em nós. Se desejamos crescer na vida cristã, precisamos de revelação. Revelação é o conhecimento que nos é transmitido pelo Espírito Santo ao nosso espírito. Revelação não é descobrir algo que ninguém nunca tenha visto antes, pelo contrário, não existe nada novo, tudo já está escrito. Quando a luz de Deus brilha no nosso espírito, então há revelação. Se desejamos obter revelação de Deus e de Sua Palavra, precisamos aprender a perceber o nosso espírito.
Há uma grande diferença entre o conhecimento mental e o conhecimento espiritual. Talvez nunca tenhamos questionado porque há tantos filhos de Deus que conhecem a Bíblia e esse conhecimento não os afeta de forma alguma. Esse problema acontece porque conhecem a Bíblia apenas intelectualmente; não têm revelação.
Por todo o Novo Testamento, nós podemos ver que a maior preocupação de Paulo era a de que os crentes tivessem revelação de Deus. Se observarmos atentamente as orações de Paulo mencionadas nas epístolas, constataremos que o seu alvo de oração era único: revelação. Paulo não orava pelo crescimento da Igreja. Paulo não orava por novos líderes nem por algo semelhante. Como seria mudada a nossa prática de igreja se tomássemos, como nossas as orações de Paulo? Simplesmente porque quando há revelação, naturalmente as pessoas serão transformadas pela ação da Palavra. Espontaneamente, a fé se manifestará, e a unção e a vida de Deus irão transbordar. ‘‘Para que o Deus de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da Glória, vos conceda espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele, iluminados os olhos do vosso coração, para saberdes...’’ (Fp 1:9); ‘‘E também faço esta oração: que o vosso amor aumente mais e mais em pleno conhecimento e toda a percepção...’’.
Se observarmos todas estas orações veremos que o tema é único: revelação. A revelação é algo que ocorre primeiramente no nosso espírito. O Espírito Santo transmite uma verdade ao nosso espírito, e o nosso espírito, para a nossa mente. A mente por si só não pode ter revelação de Deus; é o nosso espírito que tem essa função. Muitos crentes vivem só como homens naturais, não podem discernir as coisas do espírito, pois não sabem usar os seus próprios espíritos para discernir a verdade de Deus.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

SERÁ QUE ESTA PRESENTE EXISTÊNCIA É TUDO?




O corpo humano é constituído dos mesmos elementos químicos do universo, o pó da terra. Mas não é só isso, temos emoções e sentimentos diversos. Existe em nós um vasto mundo interior onde nossa existência está sendo internalizada. O que as pessoas vêem de nós, é somente uma pequena fração do que somos ou do que nos permitimos mostrar. Mesmo com uma profunda introspecção, não conseguimos fazer uma avaliação completa de nós mesmos, de quem realmente somos.

Ocupados, envolvidos e distraídos conosco mesmos e com o mundo real a nossa volta, nos confinamos no invólucro do ambiente onde vivemos, não alçamos o olhar para além desta vida e não nos perguntamos onde vamos habitar depois que este corpo físico se desfizer. Voltar ao pó.

A palavra de Deus diz em Isaías 51: 6, Salmo 102: 25-26, II Pedro 3: 10-12 e Apocalipse 21:1, que este presente universo envelhecerá, passará, será desfeito, deixará de existir. A ciência descobriu que isto, realmente está acontecendo. O universo está envelhecendo, está morrendo, afirmam os cientistas. Em um futuro remoto, todos os planetas, estrelas e galáxias desaparecerão.

Mas a mesma palavra de Deus nos diz em Isaías 51: 16, Isaías 65: 17, II Pedro 3: 13 e 
Apocalipse 21: 1-5, que Deus criará um novo céu e uma nova terra onde o envelhecimento, a dor, o pecado e a morte, não estarão presentes. Receberemos um corpo celestial, próprio para habitar o novo universo. O Apóstolo Paulo em sua primeira carta aos Coríntios capítulo 15 chama este corpo de corpo imortal ou incorruptível.

A boa notícia é que Jesus o Filho de Deus é o caminho, a ponte entre esses dois mundos. Um que perece, onde o pecado, o envelhecimento e a morte estão presentes. E outro onde a existência será eterna, sem dor, sem choro, sem pecado e sem a morte, em um corpo celestial imortal e incorruptível. O que você está esperando? A Bíblia diz: crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa.

José Paulo Vieira

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Carnaval: Carnal em essência








Uma parte do Brasil da a impressão de tentar fugir do estereótipo de país do Carnaval, mas, na prática, a festa continua mais popular do que nunca e com patrocínio público e privado que lhe dá longevidade. Nos últimos anos, a participação de entidades e igrejas cristãs parece ter aumentado nesse que se transformou em um negócio lucrativo para muitos. E qual é a posição bíblica a respeito do Carnaval? Há algum tipo de aprovação, da parte de Deus, para a realização e participação nessa festa? Antes de mencionar a Bíblia, é prudente compreender a história do Carnaval e o que hoje essa festa representa no Brasil. Segundo alguns sites de história, a origem do carnaval é desconhecida.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Da desobediência a consequência

Entendendo o conflito da Palestina com Israel



Para entender-se o conflito que se abate entre os palestinos é preciso consultar-se a Bíblia. O único livro que nos põe a par do problema desde os primórdios. Deste modo, vamos discorrer na Palavra Revelada de Deus, buscando o entendimento para este problema que aflige Árabes e Judeus de igual modo. O relato à luz da Bíblia, remonta ao Patriarca Abrão e a seus descendentes. Veremos então como as coisas aconteceram e por que continuam acontecendo:

1. Deus planejou constituir um povo para que pudesse colocar em prática o seu projeto de salvação. .

2. Chama Abrão e promete-lhe que seria pai de uma grande nação e que todas as famílias da terra seriam benditas nele (porque da descendência de Abraão viria Jesus).(Gênesis 12:1-3)

3. Abrão creu e saiu do meio de sua parentela e foi para a terra de Canaã, levando consigo Sarai sua esposa, Ló seu sobrinho e outras pessoas que conviviam com ele em Harã. (Gênesis 12:5).

4. Abrão tinha 75 anos quando foi para Canaã. Deus lhe aparece e lhe diz que daria a sua descendência aquela terra (Canaã). (Gênesis 12:7).

5. Há uma grande fome em Canaã e Abrão desce para o Egito. (Gênesis 12:10).

6. Sarai sua esposa era muito bonita e Abrão ficou com medo de perdê-la e ser morto pelos Egípcios. Combinam que diria que ela era sua irmã. Aconteceu tudo como Abrão previu. Acharam-na bonita e levaram-no para a casa de Faraó. Abrão recebe muitas benesses por parte do Faraó, mas Deus castiga o Egito com pragas por causa de Sarai. Deus não permitiu que ela fosse possuída pelo Faraó (Gênesis 12:14-20).

7. Abrão sai do Egito e vai para o NEGUEBE já muito rico com prata, ouro e gado. (Gênesis 13:1).

8. Abrão se separa de Ló e Deus lhe aparece outra vez e lhe promete novamente a terra de Canaã, dizendo-lhe que lhe daria para sempre a ele e a sua descendência (Gênesis 13:14-18). Do lugar em que Abrão estava Deus disse: olha para o norte, sul, oriente e ocidente, onde teus olhos alcançar será tua terra.