quarta-feira, 7 de junho de 2017

Explicações científicas do dilúvio até os dias de hoje



O mundo antediluviano
    O relato dos primeiros capítulos do primeiro livro da Bíblia faz supor que haviam condições climáticas e ambientais bem diferentes no mundo antediluviano.
    Naquela época não havia chuva tal qual a conhecemos atualmente. Apenas um vapor subia da terra através da evaporação e posteriormente regava a superfície terrestre na forma de um orvalho, como diz Genesis 2:6.
    Com base nesse relato do livro de Genesis, as condições do mundo antes do dilúvio eram bem mais favoráveis para o desenvolvimento das espécies.

    A irrigação do solo era feita através de um vapor que subia pela evaporação, condensava-se e posteriormente se precipitava. Em Jó 36:27 e 28, o livro mais velho da Bíblia, existe uma referência ao ciclo hidrológico exatamente nesses termos.

    Naquele processo ideal de irrigação por borrifamento discreto, a água era suficiente para uma manutenção mínima das condições necessárias para a preservação das espécies animal e vegetal.
 



No princípio...

 
A expansão nos céus
    A declaração de Genesis 1:6 de que havia uma “expansão” ou “firmamento” entre as águas que estavam debaixo da expansão e as águas que estavam sobre a expansão, dão a entender que naqueles primórdios havia um grande acúmulo de vapor de água circundando a Terra, acima da camada atmosférica.

    A palavra “expansão” usada no texto bíblico está relacionada com a atmosfera e assim, essa camada super-saturada de água estava provavelmente no espaço hoje conhecido como “troposfera”, que é a região abaixo da estratosfera, onde se formam atualmente as correntes aéreas e as tempestades.
 

terça-feira, 6 de junho de 2017

Por que o Feminismo Insulta Mulheres Reais



O movimento feminista conquistou muito nos Estados Unidos. Além da carnificina do aborto, eu suspeito que a conquista mais infeliz seja a destruição da ideia de alcançar a excelência como uma mulher.
Isso pode parecer contra intuitivo. Afinal, as feministas não lutam para que as mulheres possam ter mundos inteiros de oportunidades se apresentando à nossa frente – para que possamos voar alto, ir atrás de nossos sonhos, conquistar, nos destacar? Bem, na verdade, não.
Se você perguntar às pessoas comuns qual é a causa feminista, elas irão responder que é sobre mulheres serem iguais aos homens – sobre garantir que não sejamos tratadas como inferiores, ou cidadãs de segunda categoria. E, claro, se colocado dessa forma, que pessoa sã discordaria, certo? Entretanto, quando a posição feminista é resumida dessa maneira, há um trabalho sorrateiro acontecendo, como que por debaixo dos panos.

O Fruto da Igualdade Feminina

A ideia de que mulheres são iguais aos homens não é uma ideia feminista; é uma ideia cristã. O apóstolo Paulo o disse muito antes que Elizabeth Cady Staton ou Gloria Steinem, quando nos ensinou que em Cristo não há nem judeu, nem grego, escravo ou livre, homem ou mulher (Gálatas 3.28). E ele o disse quase dois milênios antes que o pessoal do direito das mulheres aparecesse.
As feministas tentam levar o crédito por algo que é fruto do evangelho, trabalhando por meio da cultura como o fermento em uma massa. Nós precisamos parar de deixar as feministas agirem como se elas, de alguma forma, alcançaram nossa igualdade. Sociedades não convertidas nunca tratam as mulheres bem, e isso é extraordinariamente fácil de documentar. Mulheres tratadas com respeito é um fruto que cresce em apenas um tipo de árvore, e essa árvore é a cruz.
É claro que, nós, cristãos, cremos que as mulheres são iguais aos homens. Essa crença não é algo que comprometemos pelas feministas, ou que aprendemos delas, na verdade, é um de nossos distintivos. Temos versículos para essas convicções, e sempre tivemos.
O que é igualdade?
Então, o que há de errado com o feminismo? Honestamente, muito se resume a uma luta por definições. O que “igual” realmente significa? Significa “o mesmo”? Um cristão crê que mulheres são diferentes de homens – com diferentes qualidades, habilidades e responsabilidades. Nós não acreditamos que essas diferenças implicam em desigualdade. Uma feminista, por outro lado, crê que a verdadeira igualdade não pode ser alcançada sem semelhança.