sábado, 23 de novembro de 2013

EIS O SINAL DE JONAS



"Deparou o SENHOR um grande peixe, para que tragasse a Jonas; e esteve Jonas três dias e três noites no ventre do peixe. Então, Jonas, do ventre do peixe, orou ao Senhor, seu Deus, e disse: Na minha angústia clamei ao SENHOR, e ele me respondeu; do ventre do abismo, gritei, e tu me ouviste a voz. Pois me lançaste no profundo do coração dos mares, e a corrente das águas me cercou; todas as tuas ondas e as tuas vagas passaram por cima de mim. Então, eu disse: lançado estou de diante dos teus olhos; tornarei, porventura, a ver o teu santo templo? As águas me cercaram até à alma, o abismo me rodeou; e as algas se enrolaram na minha cabeça. Desci até os fundamentos dos montes, desci até a terra, cujos ferrolhos se correram sobre mim, para sempre; contudo, fizeste subir da sepultura a minha vida, ó SENHOR, meu Deus! Quando, dentro de mim, desfalecia a minha alma, eu me lembrei do Senhor; e subiu a ti a minha oração, no teu santo templo. Os que se entregam à idolatria vã abandonam aquele que lhes é misericordioso. Mas, com a voz do agradecimento, eu te oferecerei sacrifício; o que votei pagarei. Ao SENHOR pertence a salvação! Falou, pois, o SENHOR ao peixe, e este vomitou a Jonas na terra" (Jn 1.17-2.10).
Quando os fariseus e escribas pediram um sinal especial ao Senhor Jesus, que O identificasse como Messias, Ele respondeu: "Uma geração má e adúltera pede um sinal; mas nenhum sinal lhe será dado, senão o do profeta Jonas. Porque assim como esteve Jonas três dias e três noites no ventre do grande peixe, assim o Filho do Homem estará três dias e três noites no coração da terra" (Mt 12.39-40).
Em todos os tempos os indivíduos, a ciência e a medicina fizeram a pergunta: "Como devemos lidar com a morte?" Alguém conseguiu resolver o problema da morte: Jesus Cristo. Ele, que é a própria vida, venceu a morte. Ele diz a toda pessoa: "...porque eu vivo, vós também vivereis" (Jo 14.19).
Uma vista geral da história judaica
Lemos em Jonas 1.17: "Deparou o SENHOR um grande peixe, para que tragasse Jonas; e esteve Jonas três dias e três noites no ventre do peixe." Deus tem a história de Israel em Suas mãos, como outrora cuidou de Jonas. Esse Seu povo da Antiga Aliança não está entregue ao arbítrio do mar das nações e nem está exposto à morte – embora no passado tenham morrido muitos judeus –, pois o Senhor dirige tudo da maneira como havia determinado de antemão em Sua determinação salvadora. Ernst Schrupp escreve a respeito:
A palavra profética conduz a história para o seu termo. Freqüentemente Israel torna-se culpado diante do seu Deus e é julgado por Ele devido a isso, mas continua sendo Seu povo, com o qual Deus continua fazendo história. E assim também é com a Igreja procedente dentre os judeus (Jo 4.22). Aqueles, no entanto, que lutam contra o povo de Deus, em última análise o fazem contra o Deus dele e Seu Ungido, o Messias Jesus Cristo. E eles ficam sob o domínio do adversário de Deus, sucumbem ao engano por meio do falso profeta, seguindo o anti-Messias.
As alianças de Deus com Israel (exceto a aliança do Sinai) são indissolúveis e não dependem de condições especiais:
• A Aliança Abrâmica (Gn 12;13;15;17) é indissolúvel.
• A chamada Aliança Palestina (Dt 30 1-10), as promessas de terra válidas para sempre, são indissolúveis.
• A Aliança Davídica (2 Sm 7; 1 Cr 17): Deus promete a Davi uma geração real que não terá fim, até o grande Rei Jesus Cristo. Esta aliança é indissolúvel.
• Também a "nova aliança" para o Milênio ("Na mente deles imprimirei as minhas leis...", veja Jr 31.31-33), é indissolúvel.
Não se pode exterminar esse povo. A história de Deus com os judeus continua. É o que também vemos no caso do profeta judeu Jonas: apesar de todos os empecilhos, Deus o levou ao ponto onde o queria desde o começo.
Jonas esteve "três dias e três noites no ventre do peixe." Também o povo judeu afundou no mar das nações. Os judeus mal eram percebidos. Por assim dizer, eles afundaram até ao nível da morte. Lembremo-nos apenas da terrível Inquisição, dos inumeráveis "pogroms" e da "solução final da questão judaica" no Holocausto. O povo judeu esteve praticamente morto na sepultura das nações. Apesar de tudo isso, eles foram protegidos de maneira maravilhosa por Deus. Justamente a chamada cristandade sempre lançou Israel ao mar e lhe roubou todas as promessas. Mas a situação tornar-se-á ainda pior!
Quando Jonas esteve no ventre do grande peixe, está escrito: "Então, Jonas, do ventre do peixe, orou ao Senhor, seu Deus, e disse: Na minha angústia clamei ao SENHOR, e ele me respondeu; do ventre do abismo, gritei, e tu me ouviste a voz. Pois me lançaste no profundo do coração dos mares, e a corrente das águas me cercou; todas as tuas ondas e as tuas vagas passaram por cima de mim. Então, eu disse: lançado estou de diante dos teus olhos; tornarei, porventura, a ver o teu santo templo? As águas me cercaram até à alma, o abismo me rodeou; e as algas se enrolaram na minha cabeça. Desci até os fundamentos dos montes, desci até a terra, cujos ferrolhos se correram sobre mim, para sempre" (Jn 2.1-6a). Nessa oração de Jonas já foi descrita a oração de sempre dos judeus na Diáspora (Dispersão), mas que atingirá seu ponto culminante somente "no fim dos dias". Pois, segundo meu entendimento, esses versículos descrevem – além da Diáspora e depois dela – o tempo ainda muito pior que está por vir para o povo judeu, ou seja, a Grande Tribulação ou angústia. O Senhor Jesus profetizou a respeito: "porque nesse tempo haverá grande tribulação, como desde o princípio do mundo até agora não tem havido e nem haverá jamais. Não tivessem aqueles dias sido abreviados, ninguém seria salvo; mas, por causa dos escolhidos, tais dias serão abreviados" (Mt 24.21-22). Nessa tribulação o remanescente de Israel orará exatamente da mesma maneira como Jonas outrora: "Na minha angústia, clamei ao SENHOR, e ele me respondeu; do ventre do abismo, gritei, e tu me ouviste a voz." Na Grande Tribulação ou angústia eles invocarão o Senhor como Redentor e serão salvos: "Por isso, está longe de nós o juízo, e a justiça não nos alcança; esperamos pela luz, e eis que há só trevas, pelo resplendor, mas andamos na escuridão. Apalpamos as paredes como cegos, sim, como os que não têm olhos, andamos apalpando; tropeçamos ao meio-dia como nas trevas e entre os robustos somos como mortos... Porque as nossas transgressões se multiplicam perante ti, e os nossos pecados testificam contra nós; porque as nossas transgressões estão conosco, e conhecemos as nossas iniqüidades... Temerão, pois, o nome do SENHOR desde o poente e a sua glória, desde o nascente do sol; pois virá como torrente impetuosa, impelida pelo Espírito do SENHOR. Virá o Redentor a Sião e aos de Jacó que se converterem, diz o SENHOR" (Is 59.9-10;12;19-20). Depois de ter orado, Jonas experimentou salvação maravilhosa: "fizeste subir da sepultura a minha vida, ó SENHOR, meu Deus!" (Jn 2.6b). Segundo o meu entendimento, aqui é descrito o começo do restabelecimento de Israel, como já o encontramos em nossos dias: o nascimento de uma nova geração em sua própria terra, que Deus o Senhor tirou da sepultura das nações. E isso conduzirá mais tarde também para o restabelecimento espiritual de Israel, para o qual aponta o versículo 10: "Falou, pois, o SENHOR ao peixe, e este vomitou a Jonas na terra." Saindo do ventre da morte, Jonas encontra a nova vida, para servir ao mundo das nações, como já deveria ter feito antes.
Examinemos a seguir as duas fases da renovação do Estado judeu:
1. O restabelecimento nacional de Israel
Em Ezequiel 37.12-13 lemos a respeito: "Portanto, profetiza e dize-lhes: Assim diz o SENHOR Deus: Eis que abrirei a vossa sepultura, e vos farei sair dela, ó povo meu, e vos trarei para a terra de Israel. Sabereis que eu sou o SENHOR quando eu abrir a vossa sepultura e vos fizer sair dela, ó povo meu." Diante da súplica dos judeus, dos quais foram mortos seis milhões no Holocausto, o Senhor intervirá a Seu tempo de maneira maravilhosa. Isso já nos é mostrado antecipadamente na vida de Jonas: "Quando, dentro de mim, desfalecia a minha alma, eu me lembrei do SENHOR; e subiu a ti a minha oração, no teu santo templo" (Jn 2.7). Esse atendimento a partir do "santo templo" simboliza a volta de Jesus para a salvação do Seu povo. E Jonas representa essa esperança como figura do remanescente de Israel (v. 4).
Malaquias profetiza: "...de repente, virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais. o Anjo da Aliança, a quem vós desejais; eis que ele vem, diz o SENHOR dos Exércitos" (Ml 3.1). Jesus sairá do templo celestial de Deus, voltará para o Seu povo e então se assentará no templo em Jerusalém. Em Apocalipse 11.19 está escrito: "Abriu-se, então, o santuário de Deus, que se acha no céu, e foi vista a arca da Aliança no seu santuário, e sobrevieram relâmpagos, vozes, trovões, terremoto e grande saraivada." Jesus voltará a fim de concluir a aliança com o Seu povo.
O profeta diz em Jonas 2.8: "Os que se entregam à idolatria vã, abandonam aquele que lhes é misericordioso." Por que Jonas teve que intercalar essas palavras na sua oração? Porque ele era uma figura profética e assim apontou para o antigo povo da aliança de Deus. No tempo da Grande Tribulação os judeus, ou seja, os israelitas reconhecerão o que negligenciaram e por que tiveram que passar por essa angústia. Eles abandonaram a misericórdia, porque colocaram os seus mandamentos humanos e acréscimos (Talmude) acima de Jesus, a quem rejeitaram. Assim eles continuaram presos à lei e perderam a graça. A aliança sinaítica não os pode conduzir à salvação. Samuel teve de dizer ao desobediente rei Saul: "Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e a obstinação é como a idolatria e culto aos ídolos do lar" (1 Sm 15.23).
Lemos em Romanos 11.7: "Que diremos, pois? O que Israel busca, isso não conseguiu; mas a eleição o alcançou; e os mais foram endurecidos." Isso significa: o remanescente do povo judeu alcançará o que muitos dentre eles perderam ou abandonaram por desobediência ou incredulidade. Nas palavras: "...a eleição o alcançou", é descrita a volta do remanescente. "...e os mais foram endurecidos", refere-se àqueles que buscaram sua ajuda com as nações, em vez de procurá-la com o Deus vivo. Esses líderes judeus estenderão os seus braços para o falso cristo e farão aliança com ele (Is 28.14-16; Dn 9.27). Provavelmente ainda será construído um templo ou algo semelhante, no qual será colocado o "abominável da desolação" [um ídolo] (Dn 9.27; Mt 24.15).
No meu entender essa intercalação (Jn 2.8) está ali para mostrar como na Grande Tribulação muitos de Israel voltarão para o Senhor, mas outros dentre esse povo se afastarão de Deus nessa época (veja Dn 12.1,4,10; Mt 24.9-11). Em relação a esse tempo do fim a Bíblia sempre nos apresenta os dois aspectos. Por um lado, ela diz: "Fora ficam os cães, os feiticeiros, os impuros, os assassinos, os idólatras e todo aquele que ama e pratica a mentira" (Ap 22.15). Por outro lado, ela fala da volta dos pecadores e filhos de Deus desobedientes. Isso transparece profeticamente em Jonas 2.9-10: "Mas, com a voz do agradecimento, eu te oferecerei sacrifício; o que votei pagarei. Ao SENHOR pertence a salvação! Falou, pois, o SENHOR ao peixe, e este vomitou a Jonas na terra." Assim como Jonas, pelo arrependimento, encontrou o caminho de volta para cumprir a missão que Deus lhe dera, um grande remanescente de Israel encontrará o caminho de volta para o sacrifício verdadeiro, o sacrifício na cruz do Calvário, ao Homem que morreu nela. Eles encontrarão sua salvação no Senhor e O louvarão por isso. Eles encontrarão o caminho de volta à fé dos seus pais e renascerão espiritualmente. Assim eles voltarão para a vocação inicial, de se tornarem uma bênção para as nações.
No segundo capítulo de Jonas a Bíblia nos dá uma visão profética antecipada sobre os dois restabelecimentos de Israel. Aqui vemos o milagre da profecia e dos atos de salvação de Deus. Pois primeiro, quando ainda estava no ventre do peixe, Jonas disse: "...contudo, fizeste subir da sepultura a minha vida. ó Senhor, meu Deus" (Jn 2.6)., o que tornou-se realidade visível somente mais tarde: "Mas, com a voz do agradecimento, eu te oferecerei sacrifício; o que votei pagarei. Ao SENHOR pertence a salvação! Falou, pois, o SENHOR ao peixe, e este vomitou a Jonas na terra" (vv. 9-10). No versículo 6 é descrito de maneira profética o começo do restabelecimento de Israel (restabelecimento nacional), que presenciamos hoje em dia, e os versículos 9-10 falam do restabelecimento espiritual definitivo de Israel, que veremos a seguir.
2. O restabelecimento espiritual de Israel
Sobre o restabelecimento espiritual que seguirá ao restabelecimento nacional, está escrito: "Sabereis que eu sou o SENHOR, quando eu abrir a vossa sepultura e vos fizer sair dela, ó povo meu. Porei em vós o meu Espírito, e vivereis, e vos estabelecerei na vossa própria terra. Então, sabereis que eu, o SENHOR, disse isto e o fiz, diz o SENHOR" (Ez 37.13-14). Para este restabelecimento final todos os judeus de todas as nações serão trazidos de volta: "...e os tornarei a ajuntar para voltarem à sua terra, e que lá não deixarei a nenhum deles" (Ez 39.28). Somente então, quando o Senhor Jesus tiver voltado em grande poder e glória, cumprir-se-á a palavra de Mateus 24.31: "E ele enviará os seus anjos, com grande clangor de trombeta, os quais reunirão os seus escolhidos, dos quatro ventos, de uma a outra extremidade dos céus" (veja Is 11.11-12; Jr 23.3-8; Ez 39.25-29).
Jonas esteve três dias no ventre do peixe até ser definitivamente restabelecido. É muito interessante que – antes de chegar a louvar a Deus (Jn 2.9-10) – ele já confessou: "...contudo, fizeste subir da sepultura a minha vida, ó SENHOR, meu Deus" (Jn 2.6). Constatamos que o versículo 6 representa a atual situação de Israel, o ser retirado da sepultura das nações, a fim de tornar-se novamente uma nação própria e viva: o restabelecimento nacional; e depois, nos versículos 9-10, o restabelecimento espiritual.
O restabelecimento de Israel ocorreu no fim de "dois dias". Será que o restabelecimento espiritual acontecerá no terceiro dia? De qualquer forma, a palavra profética diz: "Depois de dois dias, nos revigorará; ao terceiro dia, nos levantará, e viveremos diante dele. Conheçamos e prossigamos em conhecer ao SENHOR; como a alva, a sua vinda é certa; e ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra" (Os 6.2-3). Depois de dois dias, Deus o Senhor levou os judeus ao restabelecimento nacional. E no terceiro dia eles viverão diante da Sua face, assim como Jonas saiu das trevas do peixe e voltou novamente à luz diante da face do Senhor.
Aqui devemos deixar bem claro, e na verdade não se pode salientar o suficiente: a volta dos israelitas para a Terra Prometida, que presenciamos em nossos dias, é da maior importância! Por quê? Porque por meio dela se cumpre a primeira fase das promessas de Deus a Israel, e assim é preparado o terreno para a última fase do tempo do fim.
Jesus na história de Jonas
A base ou a condição para a futura salvação de Israel consiste na morte e na ressurreição de Jesus. Cristo é o consumador de tudo para o qual Jonas foi apenas uma fraca imagem.
O próprio Jesus é o "sinal de Jonas", do qual Ele falou: "...mas nenhum sinal lhe será dado, senão o do profeta Jonas. Porque assim como esteve Jonas três dias e três noites no ventre do grande peixe, assim o Filho do Homem estará três dias e três noites no coração da terra" (Mt 12.39-40). O Senhor relacionou Sua morte e Sua ressurreição à história de Jonas. Portanto, não existe nenhuma dúvida de que Jonas 2 fala com profundeza profética sobre Jesus, o Filho de Deus sem pecado. Além disso, a Bíblia Anotada por Scofield diz sobre essa passagem:
O fato de que, nesta passagem-chave em que nosso Senhor usa a experiência de Jonas para predizer o Seu sepultamento, as quatro outras referências – isto é, aos homens de Nínive, à rainha de Sabá, a Salomão e ao próprio Cristo ("maior do que Salomão") – são claramente históricas, confirma a historicidade de Jonas. Pois é altamente improvável que o Senhor incluísse uma figura mitológica, como alguns chamam Jonas, no mesmo contexto com estas quatro referências históricas.
Assim como a primeira vinda de Jesus há 2000 anos e sua morte na cruz dividem a história de Israel – 2000 anos a.C. e 2000 anos d.C. –, Jonas 2 divide a história desse profeta em duas partes. Em Jonas 2.2-6a vemos profeticamente a profunda dor da alma de Jesus na Sua separação do Pai. Ele, o Imortal, entregou-se à morte, foi derramado na garganta da morte por nós. Ele, o Criador, foi devorado pela criatura. Assim também as palavras de Jonas estão cheias de declarações dos Salmos que se referem ao Messias:
"Na minha angústia clamei ao SENHOR, e ele me respondeu; do ventre do abismo, gritei, e tu me ouviste a voz" (Jn 2.2).
De Jesus está escrito profeticamente no Salmo 22: "Deus meu, clamo de dia, e não me respondes; também de noite, porém não tenho sossego. Não te distancies de mim, porque a tribulação está próxima, e não há quem me acuda. Tu, porém, SENHOR, não te afastes de mim; força minha, apressa-te em socorrer-me. Salva-me das fauces do leão e dos chifres dos búfalos; sim, tu me respondes. Pois não desprezou, nem abominou a dor do aflito, nem ocultou dele o rosto, mas o ouviu, quando lhe gritou por socorro" (vv. 2,11,19,21,24).
• Jonas disse: "Pois me lançaste no profundo, no coração dos mares, e a corrente das águas me cercou; todas as tuas ondas e as tuas vagas passaram por cima de mim" (Jn 2.3).
O Salmo 22.14 diz sobre o Filho de Deus: "Derramei-me como água, e todos os meus ossos se desconjuntaram; meu coração fez-se como cera, derreteu-se dentro de mim." O juízo de Deus que era destinado para nós, derramou-se sobre Jesus; Ele o suportou por amor, por livre vontade.
"Lançado estou de diante dos teus olhos; tornarei, porventura, a ver o teu santo templo" (Jn 2.4).
Que horas mais terríveis o Senhor Jesus passou, até que afinal clamou em alta voz: "Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?" (Sl 22.1; Mt 27.46). Não obstante, vemos em tudo a confiança de Jesus firme como uma rocha no seu Pai.
"As águas me cercaram até a alma, o abismo me rodeou; e as algas se enrolaram na minha cabeça" (Jn 2.5).
Paralelamente está escrito no Salmo 22.14: "Derramei-me como água, e todos os meus ossos se desconjuntaram; meu coração fez-se como cera, derreteu-se dentro de mim" (veja também o versículo 21).
• Jonas disse: "Desci até aos fundamentos dos montes, desci até à terra, cujos ferrolhos se correram sobre mim" (Jn 2.6a).
O Salmo 22.15 diz sobre Jesus: "Secou-se o meu vigor, como um caco de barro, e a língua se me apega ao céu da boca; assim, me deitas no pó da morte."
• Jonas 2.6b e os versículos 8-10 indicam a ressurreição de Jesus e a Sua vitória: "fizeste subir da sepultura a minha vida, ó SENHOR, meu Deus... Falou, pois, o SENHOR ao peixe, e este vomitou a Jonas na terra" (Jn 2.6b e 10), o que também está expresso profeticamente no Salmo 22.
A sepultura teve que devolver Jesus. Ele ressuscitou! O Salmo 22.22 diz: "A meus irmãos declararei o teu nome; cantar-te-ei louvores no meio da congregação." Sobre o sepulcro selado e a ressurreição de Jesus é relatado em Mateus 28.2,5-6: "E eis que houve um grande terremoto; porque um anjo do Senhor desceu do céu, chegou-se, removeu a pedra e assentou-se sobre ela... Mas o anjo, dirigindo-se às mulheres, disse: Não temais; porque sei que buscais Jesus, que foi crucificado. Ele não está aqui; ressuscitou, como tinha dito. Vinde ver onde ele jazia." À morte de Jesus seguiu a manhã da Páscoa. A pedra foi arrancada da Sua sepultura. A única coisa que restou aos soldados romanos que estavam guardando o sepulcro foi a impotência. Jesus saiu da sepultura, procurou Seus discípulos e a mensagem se propagou muito rapidamente: "Ele ressuscitou! Ele é o Príncipe da vida, o Vencedor sobre a morte!" E o Novo Testamento diz: "Jesus venceu o poder da morte!"
• Lemos em Jonas 2.8: "Os que se entregam à idolatria vã abandonam aquele que lhes é misericordioso".
Na morte de Jesus irrompe a graça. Aquele que deixa os ídolos e se volta para Jesus experimenta a graça de Deus. No Salmo 22.26 está escrito: "Os sofredores hão de comer e fartar-se; louvarão o SENHOR os que o buscam. Viva para sempre o vosso coração."
• Jonas disse: "Mas, com a voz do agradecimento, eu te oferecerei sacrifício; o que votei pagarei. Ao SENHOR pertence a salvação" (Jn 2.9).
Jonas é um maravilhoso tipo de Jesus Cristo, o Enviado de Deus, Aquele que ressuscitou dentre os mortos para trazer a salvação às nações. Tudo isso resultará na gloriosa volta de Jesus, que é aludida no Salmo 22.28: "Pois do SENHOR é o reino, é ele quem governa as nações."
A mensagem de Deus à humanidade
Falamos sobre o restabelecimento de Israel e sobre a morte e ressurreição de Jesus Cristo. Mas sem demora o Senhor virá para o arrebatamento da Sua Igreja. Pois se atualmente vemos o restabelecimento nacional de Israel, sabemos que também o seu restabelecimento espiritual está por acontecer. Antes, porém, o Senhor virá para a Sua Igreja, a fim de levá-la para a casa do Pai.
Deus não nos transmitiu a história de Jonas apenas como uma narrativa bonita. Não, pelo contrário, por meio dela o Senhor dirige de maneira profética uma mensagem inequívoca à humanidade, isto é: Jesus vive! Ele quer nos dizer que a cabeça da serpente foi pisada, o pecado está vencido e foi tirado o poder da morte (2 Tm 1.10).
Jesus Cristo é o sinal de salvação para todo aquele que nEle crê. Eis o sinal de Jonas! Na morte e na ressurreição de Jesus está contida toda a graça de Deus para nós.
Deus manda dizer-nos: afastem-se de tudo que nega a Jesus! Afastem-se dos gurus dos homens, e voltem-se para a graça de Jesus! Os homens sempre nos decepcionarão, mas Jesus jamais! Antes da crucificação, apontando para Ele, Pilatos disse: "Eis o homem!" (Jo 19.5). Mas Jesus foi e é incomparável, Ele é verdadeiro Deus e verdadeiro homem ao mesmo tempo.
Por que será que o Senhor fez que ficasse intercalada na oração de Jonas a frase: "Os que se entregam à idolatria vã abandonam aquele que lhes é misericordioso" Jn 2.9)? Porque Ele quer mostrar o que é graça e o que nos impede de desfrutar a graça. Vamos repetir: a graça está contida única e exclusivamente na morte e na ressurreição de Jesus. Mas o empecilho para o recebimento da salvação consiste em não estar disposto a abandonar tudo e entregar nossa vida totalmente a Ele. Quem não faz isso, fatalmente fracassará. A futilidade deste mundo passa, aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente (veja 1 Jo 2.17).
O que você não quer abandonar? Onde está a sua Nínive? Não existe nada pior do que recusar a graça de Deus oferecida em Jesus Cristo. Isso é pior do que perder um filho ou uma filha. É o que se vê claramente na reação do sumo sacerdote Eli, quando um mensageiro lhe disse: "Israel fugiu de diante dos filisteus, houve grande morticínio entre o povo, e também os teus dois filhos, Hofni e Finéias, foram mortos, e a arca de Deus foi tomada. Ao fazer ele menção da arca de Deus" (= a glória de Israel) "caiu Eli da cadeira para trás, junto ao portão, e quebrou-se-lhe o pescoço, e morreu" (1 Sm 4.17-18; veja também os vv. 20-21).
Se é verdade que Jesus vive – então cada um de nós precisa dEle para viver. Portanto, venha à graça, agora!
Uma pessoa antes perdida, que experimentou essa graça de Jesus, escreveu estes versos comoventes:
Eu queria encontrar a paz, procurei-a por toda parte.Na verdade encontrei muitos pecados,
mas nenhum coração reconciliado.
Então segui em silêncio até o madeiro da cruz.Ele saciou o meu desejo, o santo Cordeiro de Deus.
(tradução literal do alemão)

A DIFERENÇA ENTRE ADIVINHAÇÕES E PROFECIAS BÍBLICAS

 
"Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra profética, e fazeis bem em atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coração" (2 Pe 1.19).

Profecias bíblicas se cumprem sempre, sem exceção. Por isso podemos ter absoluta confiança nelas. Mas quem confia em adivinhações está perdido!
Só uma coisa é certa a respeito das adivinhações de videntes, astrólogos e cartomantes: a cada ano se repete o fiasco da falha do seu cumprimento! Praticamente todas as previsões para 2003 foram falsas. O "Comitê Para a Investigação Científica das Alegações dos Paranormais" na Alemanha comparou 100 prognósticos com a realidade e verificou que as explicações posteriores dos adivinhos são completamente contraditórias em relação às previsões feitas. Muitos de seus prognósticos são formulados de maneira tão vaga que o exercício da futurologia nem se faz necessário, pois qualquer um de nós poderia fazer previsões semelhantes usando simplesmente a lógica e o bom senso. As previsões são tão genéricas que acabam acertando em algum detalhe. Dois exemplos: em dezembro de 2002 um astrólogo previu "iminente risco de guerra" para o Iraque.[1] O matemático Michael Kunkel (de Mainz/Alemanha), observou que uma declaração dessas, naquela época, equivalia a afirmar que o sol iria nascer na manhã seguinte. Relativamente a Israel, um dos prognósticos para este ano dizia: "Depois de sérios distúrbios, existe a tendência de que no final de 2004 haja um acordo de paz satisfatório, de modo a que ambas as partes tenham interesse em cumpri-lo". É quase impossível falar de maneira mais genérica. Mas é interessante observar como as pessoas, que nada querem saber da Bíblia, são enganadas rotineiramente e dão ouvidos a esse tipo de "profecia" vaga e superficial.
A adivinhação do futuro pode envolver puro e simples engano visando o lucro fácil. Por outro lado, além do interesse financeiro, a astrologia, por exemplo, tem origem espírita e ocultista, diretamente inspirada por Satanás e seus demônios. Seja como for, ela sempre é mentirosa, pecaminosa e de origem diabólica. O reformador Martim Lutero declarou, com razão: "O Diabo também sabe profetizar – e mente ao fazê-lo".
Em Deuteronômio 18.9-11 está escrito: "Quando entrares na terra que o Senhor, teu Deus, te der, não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos. Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos". A Bíblia com Anotações de Scofield comenta a respeito:
As oito práticas anatematizadas para determinação do futuro são estas: 1. do adivinhador – os métodos são apresentados em Ez 21.21; 2. do prognosticador – possivelmente referindo-se à feitiçaria ou astrologia; 3. do agoureiro – aquele que usa prognósticos; 4. do feiticeiro – aquele que faz uso da magia, de fórmulas ou encantamentos; 5. dos encantadores – Sl 58.4-5; 6. de quem consulta um espírito adivinhante – veja o número 7; 7. do mágico, geralmente usado com o número 6 – Is 8.19 descreve a prática; e 8. do necromante – aquele que procura interrogar os mortos. Duas coisas precisam ser mantidas em mente: 1) este mandamento tinha aplicações específicas a Israel que estava entrando na terra; foram feitas para preservar os israelitas das abominações dos seus predecessores (vv. 9, 12 e 14) e 2) para se perceber claramente o contraste entre esses falsos profetas e os profetas como Moisés (vv. 15-19).
Profecia bíblica
Vejamos as principais diferenças entre adivinhação e profecia bíblica:
  • A adivinhação faz afirmações vagas e genéricas e não esclarece os fatos. A profecia bíblica é a história escrita antes que aconteça. Ela parte do próprio Deus Todo-Poderoso, que tem uma visão panorâmica das eras e as estabeleceu em Seu plano divino. O profeta Isaías O engrandece: "" Senhor, tu és o meu Deus; exaltar-te-ei a ti e louvarei o teu nome, porque tens feito maravilhas e tens executado os teus conselhos antigos, fiéis e verdadeiros" (Is 25.1). O próprio Senhor afirma: "lembrai-vos das coisas passadas da antiguidade: que eu sou Deus, e não há outro, eu sou Deus, e não há outro semelhante a mim; que desde o princípio anuncio o que há de acontecer e desde a antiguidade, as coisas que ainda não sucederam; que digo: o meu conselho permanecerá de pé, farei toda a minha vontade" (Is 46.9-10).
  • A adivinhação interpreta algum tipo de sinal. A profecia bíblica não depende da nossa interpretação, mas se sustenta exclusivamente em sua própria realização.
  • As previsões de astrólogos são especulativas e deixam margem para muitas interpretações. A profecia bíblica acerta em 100% dos casos.
  • O apóstolo Pedro escreve: "Porque não vos demos a conhecer o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo seguindo fábulas engenhosamente inventadas, mas nós mesmos fomos testemunhas oculares da sua majestade" (2 Pe 1.16).
Tim LaHaye e Thomas Ice afirmam:
A adivinhação interpreta
algum tipo de sinal.
Falsas religiões e idéias supersticiosas baseiam-se em fábulas engenhosamente inventadas, mas a fé cristã está fundamentada na auto-revelação do próprio Deus aos homens, da forma como a encontramos na Bíblia. Além disso, Pedro designa a profecia bíblica como "palavra profética" e diz: "...fazeis bem em atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso..." (2 Pe 1.19). Por que podemos depositar toda a nossa confiança na palavra profética? Porque a profecia bíblica, segundo a conclusão de Pedro, não é a explicação humana dos acontecimentos históricos: "sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens [santos] falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo" (2 Pe 1.20-21). Tendo a profecia, os cristãos possuem um resumo do plano divino para o futuro. Além disso, como centenas de profecias já se cumpriram literalmente – a maioria delas relacionadas à primeira vinda de Cristo – sabemos que todas as promessas em relação ao futuro também se cumprirão integralmente nos tempos finais e por ocasião da volta de Cristo".[2]
  • Adivinhação e interpretação de sinais são baseados em mentiras, enquanto a profecia divina é a mais absoluta verdade. Balaão era um "agoureiro" (Nm 24.1) que Balaque, rei dos moabitas, queria usar para amaldiçoar Israel (Nm 23-24). E justamente esse adivinhador foi obrigado a reconhecer: "Deus não é homem, para que minta; nem filho de homem, para que se arrependa. Porventura, tendo ele prometido, não o fará? Ou, tendo falado, não o cumprirá?" (Nm 23.19).
  • A Bíblia contém 6.408 versículos com declarações proféticas, das quais 3.268 já se cumpriram. Não se sabe de nenhum caso em que uma profecia bíblica tivesse se cumprido de forma diferente da profetizada. Esses números equivalem à chance de que ao jogar-se 1.264 dados, todos caiam, sem exceção, com o número 6 para cima. Essa probabilidade é tão pequena que exclui toda e qualquer obra do acaso.[3]
  • Conforme o Dr. Roger Liebi, 330 profecias extremamente exatas e específicas referentes ao Messias sofredor se cumpriram literalmente por ocasião da primeira vinda de Cristo.
Dessa abundância de profecias relacionadas ao nascimento, à vida e à morte de Jesus, destacamos apenas o exemplo do Salmo 22.16-17: "...traspassaram-me as mãos e os pés. Posso contar todos os meus ossos..." Não há dúvida de que essa passagem fala da crucificação, pois o sofrimento descrito pelo salmista só acontece nesse tipo de morte. Entre os judeus a crucificação jamais foi uma forma de execução de condenados à morte e ainda não era conhecida quando o salmo foi escrito. Bem mais tarde os romanos copiaram dos cartagineses a pena de morte por crucificação. Portanto, seria muito mais lógico se o salmista tivesse descrito a morte por apedrejamento ou pela espada. Numa época tão remota (1000 a.C.), por que ele falou da morte pela cruz, completamente desconhecida dos judeus? A resposta é que o salmista, inspirado pelo Espírito de Deus, era um profeta e apontava a morte futura de Jesus.
  • A adivinhação cria confusão mental, turva a visão para a verdade bíblica e bloqueia a disposição das pessoas de crerem no Evangelho de Jesus Cristo. Ela embota seus sentidos, prendê-as a falsos ensinos e torna-as inseguras em suas decisões. A profecia divina, entretanto, liberta e dá segurança. Por isso todos deveriam seguir o conselho de Deus: "Eu o disse, eu também o cumprirei; tomei este propósito, também o executarei. Ouvi-me vós..." (Is 46.11b-12a).
  • Qualquer pessoa que crê em Jesus Cristo e confia sua vida a Ele tem um futuro seguro e não precisa ter medo de nada. Quem se entrega a Jesus passa a viver sob a bênção da profecia encontrada em João 14.3: "E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que, onde eu estou, estejais vós também". (Norbert Lieth)

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Fragmentos das versões das bíblias mais antigas do mundo são expostos em Jerusalém

As antigas perguntas sobre onde está “a Bíblia original” e “o quanto a Igreja mudou o texto bíblico” ainda persistem para muitos. Agora surge mais uma oportunidade de tentar esclarecer a trajetória que as Escrituras passaram até chegarem ao século 21.
O Museu Terras da Bíblia, localizado em Jerusalém, fará uma exposição a partir de 23 de novembro deste mês, sobre a história da Bíblia. O material mostra as raízes judaicas do cristianismo e a difusão da fé através da palavra escrita. Apresenta o desenvolvimento da Bíblia juntamente com a disseminação do judaísmo e o cristianismo, a partir de Israel.
A mostra “O Livro dos Livros” reúne fragmentos originais das bíblias mais antigas do mundo, alguns de quase 2 mil anos. São manuscritos, objetos e documentos impressos que mostram a importância do texto sagrado no desenvolvimento da civilização ocidental.
Amanda Weiss, diretora do Museu, asseverou: “A exposição é a primeira já feita no mundo que mostra de maneira equilibrada as histórias do Tanach (Bíblia judaica), e do Novo Testamento que compõem a Bíblia cristã. Trata-se de uma combinação incomum de documentos bíblicos e comentários importantes e transcendentais jamais encontrados e reunidos nesta exclusiva exibição”.
Os visitante poderão ver, de forma cronológica, parte dos manuscritos bíblicos mais antigos conhecidos, bem como suas interpretações e representações. São papiros milenares escritos em hebraico e aramaico, e também material em grego, latim e siríaco dos primeiros séculos. Passando por volumes medievais manuscritos, até chegar às primeiras versões impressas.
São mais de 200 obras, incluindo fragmentos da Septuaginta (versão da Bíblia hebraica), as escrituras mais antigas do Novo Testamento, manuscritos raros, fragmentos delicados da Geniza do Cairo e páginas originais da Bíblia de Gutenberg, bem como outra que pertenceu ao rei Henrique VIII da Inglaterra, e vários volumes da versão popular do rei James I.
biblias antigas Fragmentos das versões das bíblias mais antigas do mundo são expostos em Jerusalém
Exposição no Museu Terras da Bíblia
Um dos mais importantes é parte dos rolos do Mar Morto, as cópias mais antigas dos textos do Antigo Testamento, cujos originais estão em Amã, na Jordânia. Jehuda Kaplan, diretor do Departamento de Educação do museu, explica “Esta é a primeira vez que este texto é apresentado em Israel. Está escrito em hebraico e menciona as regras da comunidade que vivia ali no século I”.
Outra parte importante são os fragmentos da Septuaginta (versão do Velho Testamento para o grego koiné), refletindo o vínculo inegável entre o início do cristianismo e o Judaísmo. A exibição se estenderá até abro de 2014. Com informações CBN.
Fonte: Gospel Prime

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Dons Espirituais

Coríntios... Sejam cuidadosos

Paulo relaciona o dom de "discernimento de espíritos" entre os nove dons espirituais sobre os quais escreveu em sua Primeira Epístola aos Coríntios. A partir dessa carta, percebemos que o apóstolo estava preocupado com as noticias que recebera de Corinto. Os membros da igreja, muitos deles convertidos mediante ao trabalho do próprio Paulo, tinham escrito uma carta pedindo seu conselho  sobre várias questões; a epístola contém suas respostas, bem como exortações contra certos comportamentos errados.
Paulo receava que a igreja se dividisse, seguindo personalidades humanas, em vez de a Pessoa de Cristo. Estava preocupado com a conduta dos coríntios quando se reuniam para lembrar a morte do Senhor e também com o entendimento deles sobre as coisas espirituais.
O desejo do apóstolo para com a recém organizada igreja de Corinto era que as pessoas mantivessem um compromisso forte com Cristo e evitassem as divisões. Ele se alegrava porque não havia carência de dons espirituais na comunidade, mas estava plenamente consciente da possibilidade de que houvesse engano espiritual. Tratava-se de um perigo muito real dentro da igreja, desde de que a maior parte de seus membros vinha de um ambiente de adoração de ídolos com todas as suas conotações demoníacas.
O apóstolo escreveu-lhes que antes da conversão, "deixáveis conduzir-vos aos ídolos mudos, segundo éreis guiados" (1 Co 12.2 ) e tinham de tomar cuidado para não caírem novamente sobre a mesma influencia. A preocupação de Paulo era que eles não fossem ignorantes quanto aos dons espirituais, mas tivessem um entendimento das maneiras pelas quais o Espírito Santo se manifesta por intermédio de cristãos individuais quando esses se reúnem em nome de Jesus.
Ele esperava que estivessem preparados e dispostos a serem usados pelo Espírito para abençoar e fortalecer uns aos outros, sempre que se reunissem como Corpo de Cristo. Paulo também os exortou a que fossem cautelosos e não confundissem a influência e a manifestação do Espirito Santo com as dos  espíritos malignos.

Conflito no final dos tempos

Esses ensinamentos de Paulo são tão fundamentais hoje quanto foram naqueles primórdios da Igreja. Ao nos aproximarmos do final dos tempos e do glorioso retorno de Jesus, há novamente uma grande "reunião" de uma poderosa colheita no Reino de Deus em todas as partes da Terra enquanto as boas novas do evangelho são proclamadas com demonstração do poder de Deus.
Ao mesmo tempo em que há esse avanço, há também uma intensificação da atividade demoníaca - uma renovação da oposição satânica ao mover do Espírito de Deus. Sempre que o Espírito Santo traz avivamento, o inimigo da Igreja busca imitar e tumultuar as manifestações da vida de Deus. Para alcançar esse propósito, ele provoca atividades demoníacas, carnais e insensatas no meio do povo de Deus. Para alcançar esse propósito, ele provoca atividades demoníacas , carnais e insensatas no  meio do povo de Deus, buscando desacreditar e marginalizar aqueles que desejam acessar o mundo sobrenatural no poder do Espirito Santo. Quando temos experiências sobrenaturais e consciência do numero crescente de manifestações espirituais  nas igrejas, precisamos do conhecimento dos princípios do Reino de Deus estabelecidos em nossos corações, juntamente com a direção e o discernimento do Espirito Santo.

Dons Espirituais


Paulo escreveu sobre nove manifestações do Espirito Santo(dons espirituais) a fim de corrigir qualquer ignorância por parte dos cristãos coríntios em relação às experiências espirituais. Ele enfatizou que há um só Espirito Santo que escolhe operar de formas variadas, e que jamais deveria haver qualquer atitude de competição entre os irmãos quando os dons fossem empregados, nem qualquer contradição de verdade estabelecida na Palavra de Deus. "Ora, os dons são diversos , mas o Espirito é o mesmo. E também há diversidade de serviços, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade nas realizações, mas o mesmo Deus é quem opera tudo em todos." (CO 12.4-6)

Três grupos de três

Os nove dons podem ser divididos em três grupos, cada qual composto de três dons. Existem dons vocais, ou seja, os pronunciamentos inspirados pelo Espirito Santo: falar em línguas, interpretar as línguas e profecia; os dons de poder, ou seja, demonstrações do poder do Espirito Santo: dons de cura, operação de milagres e dom de fé; os dons de revelação, onde conhecimento é compartilhado pelo Espirito Santo: palavra de conhecimento, palavra de sabedoria e discernimento de espíritos.
O que os nove dons tem em comum é que eles são completamente sobrenaturais  e não tem origem na razão ou na habilidade humana. São uma manifestação, um lampejo exterior, do Espirito Santo que habita no interior do cristão. Os dons de revelação -palavra de conhecimento, palavra de sabedoria e discernimento de espíritos - são todos métodos de comunicação que o Espirito Santo emprega para revelar certos fatos ao cristão.
O dom de discernimento de espíritos é a forma do Espirito Santo  revelar a um individuo a conscientização da presença, atividade ou efeito de uma entidade espiritual(ou entidades).
O termo grego traduzido como "discernimento" é diakrisis, que literalmente significa "julgamento completo'. Transmite a ideia de receber informação clara sobre algo - uma investigação completa que não deixa nenhuma duvida.

Nada é oculto do Espirito de Deus

O Espirito de Deus conhece todas as coisas, e nada fica  oculto ao seu entendimento.
a Bíblia apresenta essa verdade de varias formas. João na ilha de Patmos, teve uma revelação de Jesus ressuscitado e glorificado no centro do trono de Deus no céu: "Então, vi...um Cordeiro como tendo sido morto. Ele tinha sete chifres, bem como sete olhos, que são os sete Espíritos de Deus enviados por toda a terra"( Ap 5.6).
Esta descrição evoca a descrição do profeta Zacarias no Antigo Testamento; "Aqueles sete olhos são os olhos do Senhor, que percorrem toda a terra"( Zc4.10). Não há nenhum lugar oculto onde Deus não saiba o que esta ocorrendo. O uso do numero 7 nessas passagens traz a ideia da perfeição divina; os sete chifres  dão a ideia da onipotência de Deus, e os 7 olhos da onisciência. O rei Davi expressou assim essa verdade; "Para onde me ausentarei do teu Espirito? Para onde fugirei da tua face? Se subo aos céus, lá estas; se faço a minha cama no mais profundo abismo, lá estas também; se tomo as asas as alvorada e me detenho nos confins dos mares, ainda lá me haverá de guiar a tua mão, e a tua destra me susterá. Se eu digo: as trevas com efeito, me encobrirão, e a luz ao redor de mim  se fará noite , até as próprias trevas não te serão escuras; as trevas e a luz são a mesma coisa"(Sl 139.7-12).
Nenhuma atividade de anjos ou demônios fica oculta de Deus, e o Espirito Santo é capaz de compartilhar esse conhecimento com qualquer cristão à escolha. Ele é responsável pelos dons que qualquer membro individual do Corpo de Cristo pode receber: O mesmo Espirito realiza todas estas coisas, distribuindo-as. como lhe apraz, a cada um, individualmente"( 1Co 12.11). No entanto, somos encorajados a buscar os dons e a "procura-los com zelo"(1 CO 12.31;14.1).
O dom de discernimento será concedido segundo o propósito do espirito Santo. Ele fara isso quando houver necessidade e quando houver abertura e desejo ardente pelo seu exercício. Quando os cristãos entram em batalha espiritual e começam a exercer autoridade sobre os espíritos malignos em o nome de Jesus, o dom entrará em operação com maior regularidade e maior entendimento.
Quando um cristão tem o dom de discernimento de espíritos, não quer dizer que constantemente terá os segredos  do mundo espiritual revelados diante dele. Cada ato de discernimento é uma revelação separada. Não podemos decidir quando o dom será exercido, pois se trata de uma prerrogativa do Espirito Santo. No entanto, podemos estar sempre preparados e abertos par sua operação.

Não é bom ver demônio o tempo todo

Viver com uma consciência constante de toda a atividade e presença demoníaca seria uma pressão grande demais para qualquer cristão. A vida seria insuportável. Há pessoas que afirmam estar continuamente conscientes das ações demoníacas.
Entretanto, a fonte de suas revelações provavelmente é demoníaca, e não decorrente de iluminação do Espirito Santo; elas precisam de libertação.
Tenho certeza de que Deus não quer que seus filhos vivam sob tal pressão. O dom que ele nos deu por meio da habitação do espirito Santo é um discernimento que vem quando é necessário.
Creio que muitas pessoas envolvidas com ocultismo estão sujeitas a essa pressão espiritual e consciência - embora muitas vezes busquem usar esses elementos em beneficio próprio.
   
    Jesus salva, cura e liberta! Procure ter um verdadeiro encontro com Deus!

 

 

Semíramis e a farsa do Natal

Muitos cristãos, inocentemente, aderem a práticas religiosas sem ao menos se atentarem que, na realidade, repetem alguns dos mesmos atos e 'rituais' de culturas pagãs passadas. A comemoração do Natal e o 'culto' à sua árvore são exemplos de como muitos conseguem ser iludidos pela religião.

Semíramis e a farsa do Natal e sua árvore

Para falar do NATAL, é preciso voltar ao tempo de NOÉ, após o dilúvio,


quando um de seus filhos, CAM, o viu dormindo embriagado e nu. Ele começou a rir de seu pai e correu para contar aos seus outros dois irmãos, SEM e JAFÉ.


Estes, ao contrário, foram de costas e cobriram a nudez do pai. NOÉ, quando soube do acontecido, amaldiçoou seu filho CAM, para que este e seus descendentes servissem a seus outros dois filhos. E toda a geração após ele se tornou maldita.


CAM casou-se com SEMÍRAMIS (esta é a mulher da nota de 1, 2, 5, 10, 20, 50 e 100 reais; a mulher da Estátua da Liberdade; a mulher da balança da justiça; da Columbia Pictures, etc.)


e ambos geraram um filho, NINRODE. Ele matou seu pai CAM e casou-se com sua mãe.


Foi o fundador da Babilônia, Nínive e outras cidades pagãs. Tentou levantar a torre de BABEL, e DEUS o impediu.


Seu tio SEM o matou, pois ele estava se opondo muito contra DEUS. SEMÍRAMIS, sua mãe e esposa, espalhou a mentira de que ele não havia morrido, e sim que havia ido para o céu, pois ele se dizia deus - o deus sol.


SEMÍRAMIS engravidou e dizia ser um presente dos deuses, que era a reencarnação de NINRODE; mas, na verdade, era fruto de uma traição, pois seu marido, e filho, já estava morto. E nasceu TAMUZ, no dia 25 de dezembro, deus sol dos egípcios, babilônicos, gregos, persas, romanos e, hoje, das S.S. (sociedades secretas).


Ele morreu durante uma caça, provavelmente por um animal selvagem, e seu corpo ficou caído sobre um tronco apodrecido de árvore. Sua mãe dizia que neste tronco nasceu um pinheiro, e todos os anos, no dia 25 de dezembro, era comum as pessoas levarem um pinheiro para dentro de casa e o enfeitarem com ouro e prata, como símbolo do renascimento de TAMUZ.


As sacerdotisas jejuaram e choraram por 40 dias e 40 noites a morte de TAMUZ ao pé do pinheiro e, no final desse período, elas agradeciam umas às outras fazendo trocas de presentes, os quais eram depositados aos pés desse pinheiro. Todos os anos, no dia 25 de dezembro, era comemorado o Natal (nascimento de Tamuz).


Quando os PERSAS dominaram essa região, eles levaram todas as idolatrias para a PERSIA, inclusive os deuses TAMUZ, NINRODE E SEMÍRAMIS, que apenas mudaram de nome. O domínio, em seguida, passou para os GREGOS, e estes fizeram a mesma coisa, mudando apenas os nomes; eles passaram a ser ZEUS, AFRODITE E EROS.


Em seguida, os EGÍPICIOS dominaram e mudaram os nomes também, passando a se chamar OSIRIS, ISIS E HORUS.


Já nos tempos de JESUS CRISTO, o domínio era ROMANO, e ROMA mudou também os nomes. Passaram a se chamar apenas VÊNUS E CUPIDO, caindo a figura do pai. E no Século IV, depois de CRISTO, o imperador CONSTANTINO, para agradar aos CRISTÃOS que eram em grande número em ROMA, decidiu oficializar o CRISTIANISMO como religião oficial de ROMA. E para agradar ainda mais a eles, pegou os nomes mais fortes dentro do CRISTIANISMO e passou a chamar os ídolos por nomes CRISTÃOS.


TAMUZ e SEMÍRAMIS passaram a se chamar MENINO JESUS e VIRGEM MARIA. Assim, o Natal continuou a ser comemorado como sendo o nascimento do menino JESUS, mas, na verdade, esse menino seria TAMUZ, o deus pagão.


Outro engano disfarçado são os obeliscos. Feitos de uma pedra em forma quadrangular e alongada, os monumentos, preferencialmente, eram colocados na área central de amplos espaços abertos e nos templos do deus sol, Rá. E, apesar de no antigo Egito obelisco significar ‘proteção’ ou ‘defesa’, saiba o que realmente representa.

Obelisco


Você está olhando para a mais famosa representação pública do ato sexual no mundo. Este obelisco, no meio da satânica Roda das Oito Etapas para a Iluminação, encontra-se na Praça de São Pedro, no Vaticano. Bastante interessante ver uma representação sexual no Vaticano, pois eles falam muito sobre sexualidade, uma prova de que o catolicismo romano é uma forma de satanismo muito profunda. Outra prova é a ‘cruz invertida’, usada pelo papa.

Concluímos que o Obelisco é um monumento feito para adorar deuses, simbolizando a bandeira de Lúcifer e o ato sexual.

** Conteúdo retirado da Internet. Imagens meramente ilustrativas.

domingo, 17 de novembro de 2013

A inveja

       Não inveje os arrogantes!

"Com efeito, Deus é bom para com Israel, para com os de coração limpo. Quanto a mim, porém, quase me resvalaram os pés; pouco faltou para que se desviassem os meus passos. Pois eu invejava os arrogantes, ao ver a prosperidade dos perversos. Para eles não há preocupações, o seu corpo é sadio e nédio. Não partilham das canseiras dos mortais, nem são afligidos como os outros homens. Daí, a soberba que os cinge como um colar, e a violência que os envolve como um manto. Os olhos saltam-lhes da gordura; do coração brotam-lhes as fantasias. Motejam e falam maliciosamente, da opressão falam com altivez. Contra os céus desandam a boca, e a sua língua percorre a terra. Por isso, o seu povo se volta para eles e os tem por fonte de que se bebe a largos sorvos. E diz: Como sabe Deus? Acaso, há conhecimento no Altíssimo?  Eis que são estes os ímpios; e, sempre tranquilos, aumentam suas riquezas. Com efeito, inutilmente conservei puro o coração e lavei as mãos na inocência. Pois de continuo sou afligido e cada manhã, castigado. Se eu pensara em falar tais palavras, já ai teria traído a geração de teus filhos. Em só refletir para compreender isso, achei mui pesada tarefa para mim; até que entrei no santuário de Deus e atinei  com o fim deles.
Tu certamente os põe em lugares escorregados e os fazes cair na destruição. Como ficam de súbitos assolados, totalmente aniquilados de terror! Como ao sonho, quando se acorda, assim ó Senhor, ao despertares, desprezarás a imagem deles. Quando o coração se me amargou e as entranhas se me comoveram, eu estava embrutecido e ignorante; era como um irracional à tua presença. Todavia, estou sempre contigo, tu me seguras pela minha mão direita. Tu me guias pelo teu conselho e depois me recebes na gloria. Quem mais tenho eu no céu? Não há outro em quem eu me compraza na terra. Ainda que a minha carne e o meu coração desfaleçam, Deus é a fortaleza do meu coração e a minha herança para sempre. Os que se afastam de ti, eis que perecem; tu destróis todos os que são infiéis para contigo. Quanto a mim, bom é estar junto a Deus; no Senhor Deus ponho o meu refúgio, para proclamar todos os seus feitos." (Salmo 73. 1-280

Observe que o drama de Asafe, que escreveu esse Salmo; não é diferente do drama de muitos. Talvez seja seu drama ao ver uma pessoa que não tem nenhum referencial de pureza, de justiça, e de fé, uma pessoa desqualificada. Então, a inveja começou a tomar conta do seu coração  e ele disse; "Quanto a mim, porém, quase me resvalaram os pés; pouco faltou para que se desviassem os meus passos. Pois eu invejava os arrogantes." Ele continua descrevendo como eles vivem, parece que tudo dá certo para eles, enquanto que para mim que sou integro e estou na Casa de Deus, prece que as coisa não chegam assim tão facilmente.
Talvez tenha uma colega de escola que esteja vivendo de maneira contraria aos princípios do Senhor, mas que ganha um buquê de flores no dia dos namorados. Você, porém, que esta guardando sua virgindade, sua pureza, ganha apenas um sonho. Existem os momentos do "quase" em nossa vida. "Quanto a mim quase [...]", quase acabei, quase me desviei, quase deixei tudo para trás , quase deixei meus princípios, quase." Mas, há um momento em que o salmista disse: "até  que entrei no santuário de Deus e atinei com o fim deles." (Salmo 73.17) Na nossa vida é como termina que verdadeiramente conta, Jesus Cristo disse: "Pois que aproveitara o homem se ganhar o mundo inteiro e perder sua alma? Ou o que dará o homem em troca de sua alma? (Mateus 16.26)

"Tu certamente os põe em lugares escorregadios e os fazes cair na destruição. Como ficam de súbitos assolados, totalmente aniquilados de terror! Como o sonho, quando se acorda, assim o Senhor, ao despertares, desprezarás a imagem deles. quando o coração se me amargou e as entranhas se me comoveram, eu estava embrutecido e ignorante, era como um irracional à tua presença". (Salmo 73:18-22)
Quando uma pessoa entra pelo caminho da inveja, ela fica transtornada e embrutecida. Somente ela tem razão e ninguém mais tem direito algum. Mas, ele diz: "Todavia, estou sempre contigo, tu me seguras pela minha mão direita." (Salmo 73:23) Quando estamos em sintonia com o Senhor e o sentimento de inveja não toma conta de nós, podemos dizer com toda a força de nosso coração: Tu sempre estás comigo e o melhor da minha vida é a tua presença". O melhor da nossa vida é a presença do Senhor. A maior riqueza que possuímos é o Senhor.
  
                   Lembrem-se : Quem tem Jesus, tem tudo!

Os Direitos Humanos na perspectiva bíblica

Temos que reconhecer a dificuldade em definir exatamente o que são os direitos humanos. Alguns poderiam assumir que a noção de “direi...