quinta-feira, 21 de julho de 2016

Eclesiastes 4




De novo voltei a minha atenção e vi toda a opressão que ocorre debaixo do sol: Vi as lágrimas dos oprimidos, mas não há quem os console; o poder estava do lado dos seus opressores, e não há quem os console.

Por isso considerei os mortos, mais felizes do que os vivos, pois estes ainda têm que viver!

No entanto, melhor do que ambos é aquele que ainda não nasceu, que não viu o mal que se faz debaixo do sol.

Descobri que todo trabalho e toda realização surgem da competição que existe entre as pessoas. Mas isso também é absurdo, é correr atrás do vento.
O tolo cruza os braços e destrói a própria vida.
Melhor é ter um punhado com tranqüilidade do que dois punhados à custa de muito esforço e de correr atrás do vento.
Descobri ainda outra situação absurda debaixo do sol:
Havia um homem totalmente solitário; não tinha filho nem irmão. Trabalhava sem parar! Contudo, os seus olhos não se satisfaziam com a sua riqueza. Ele sequer perguntava: "Para quem estou trabalhando tanto, e por que razão deixo de me divertir? " Isso também é absurdo. É um trabalho muito ingrato!
É melhor ter companhia do que estar sozinho, porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas.
Se um cair, o amigo pode ajudá-lo a levantar-se. Mas pobre do homem que cai e não tem quem o ajude a levantar-se!
E se dois dormirem juntos, vão manter-se aquecidos. Como, porém, manter-se aquecido sozinho?
Um homem sozinho pode ser vencido, mas dois conseguem defender-se. Um cordão de três dobras não se rompe com facilidade.
Melhor é um jovem pobre e sábio, do que um rei idoso e tolo, que não mais aceita repreensão.
O jovem pode ter saído da prisão e chegado ao trono, ou pode ter nascido pobre no país daquele rei.
Percebi que, ainda assim, o povo que vivia debaixo do sol seguia o jovem, o sucessor do rei.
O número dos que aderiram a ele era incontável. A geração seguinte, porém, não ficou satisfeita com o sucessor. Isso também não faz sentido, é correr atrás do vento.


A solidão é um dos males deste século. A depressão vem decorrente da solidão. Solidão não é somente estar sozinho, mas sentir-se sozinho. 
Sentir dor, sentir humilhação, cansaço da vida, tristeza, saudade, arrependimento, etc, geralmente nos afasta das pessoas, ou melhor, afastam as pessoas de nós. A maioria das pessoas não tem tempo, paciência ou boa vontade de ouvir o sofrimento do outro. Sempre a dor de quem ouve é maior do que a de quem fala, ou a dor de quem fala é exagerada pra quem ouve. 

Lidar com a solidão não é nada fácil. Tem gente que gosta de estar sozinho, e por consequência se torna uma pessoa intolerante, que tem dificuldades em conviver, de ouvir ou se envolver com alguém que apresenta algum tipo de dificuldade de se relacionar por causa da depressão ou por resquícios de sofrimentos passados. 

Os Direitos Humanos na perspectiva bíblica

Temos que reconhecer a dificuldade em definir exatamente o que são os direitos humanos. Alguns poderiam assumir que a noção de “direi...